Como Pagar O Inss Por Conta Própria? - CLT Livre

Como Pagar O Inss Por Conta Própria?

Como Pagar O Inss Por Conta Própria

Qual o valor para pagar o INSS por conta própria?

Resumindo – Qual a tabela INSS autônomo 2023? Em 2023, o trabalhador autônomo deve pagar 20% em cima de um valor que deve ser entre o salário-mínimo e o teto do INSS. Sendo assim, os valores podem ser entre R$260,40 a R$ 1.417,44. Já na alíquota reduzida, é possível pagar 11% do salário mínimo, que é R$143,22.

Já no caso de baixa renda o valor é 5% do mínimo, ou seja, R$65,10. Como pagar o INSS autônomo 2023? Para pagar o INSS autônomo 2023, o trabalhador deve emitir o Guia da Previdência Social (GPS) no site da Previdência Social, escolher sua categoria e pagar o valor mensalmente. Apesar de já não ser mais tão comum, também é possível comprar o carnê em papelarias credenciadas.

Se você ainda não sabe como pagar o INSS autônomo, veja aqui um guia completo para começar a contribuição,

Como pagar o INSS por conta própria em 2023?

Como contribuir para o INSS por conta própria? – Para contribuir com a Previdência Social por conta própria é necessário acessar a Guia de Previdência Social, mais conhecida como GPS, Esse é um documento de categoria mensal em que o autônomo ou também chamado contribuinte individual tem acesso aos carnês para ter direito aos benefícios previdenciários.

É importante lembrar que a guia pode ser paga no banco que o contribuinte tem vínculo ou também de forma presencial nas casas lotéricas. Se o contribuinte desejar realizar todo o procedimento de forma online, o pagamento do GPS pode ser feito através do Internet Banking ou por meio dos aplicativos de aparelhos celulares.

É importante lembrar que é o Cadastro Nacional de Informações Sociais mais conhecido como CNIS também constam as informações sobre pagamentos e se o contribuinte está irregular junto à Previdência Social.

Quem não tem carteira assinada pode pagar INSS?

Brasileiros que trabalham sem carteira assinada podem receber aposentadoria, auxílio por incapacidade temporária (ex-auxílio doença) e outros benefícios do INSS (Instituto Nacional do Seguro Social)? A resposta é sim, desde que cumpram alguns requisitos.

Ter qualidade de segurado, ou seja, contribuir com a Previdência Social;Ter “carência”, ou seja, cumprir com um tempo mínimo de contribuição.

Se você não possui carteira assinada, é possível fazer a contribuição previdenciária como microempreendedor individual ( MEI ) ou como contribuinte facultativo. Como faço para contribuir como MEI? Vieira afirma que, para ser contribuinte como MEI, todo mês você deverá pagar o Documento de Arrecadação Simplificada do Microempreendedor Individual (DAS-MEI), O valor é de R$ 60,66.

Plano normal:

Nesta alternativa, a contribuição a ser paga deverá ter o valor equivalente a 20% da renda mensal, que irá variar entre o salário mínimo (R$ 1.212) e o teto da Previdência Social (R$ 7.087,22). Sendo assim, o valor a ser pago mensalmente irá variar entre R$ 242 e R$ 1.417,44. Quanto maior for o valor de contribuição, maior será o benefício recebido na aposentadoria.

Plano simplificado:

Aqui o contribuinte irá pagar todos os meses uma alíquota de 11% sobre o salário mínimo, ou seja, R$ 133,32. Existe também o plano simplificado de baixa renda, que é destinado exclusivamente às pessoas que não exerçam nenhuma atividade remunerada e se dedicam apenas ao trabalho doméstico na própria residência.

  • Elas precisam ter renda familiar de até dois salários mínimos, serem cadastradas no CadÚnico ( Cadastro Único de programas sociais do governo federal) e não possuírem renda própria, exceto o Auxílio Brasil,
  • Tanto no plano normal, como no simplificado, o contribuinte terá direito a todos os benefícios da Previdência Social.

Preciso contribuir por quanto tempo para ter direito aos benefícios da previdência social? O tempo de contribuição, chamado de carência, varia conforme o benefício. No caso da aposentadoria por idade, por exemplo, é preciso contribuir por 15 anos antes de se aposentar.

Aposentadoria por idade: carência de 180 meses (15 anos)Aposentadoria por invalidez: carência de 12 meses (1 ano)Auxílio-doença: carência de 12 meses (1 ano)Licença-maternidade: carência de 10 mesesAuxílio-reclusão: carência de 24 meses (2 anos)Pensão por morte: sem tempo mínimo

Contribuí para a Previdência, mas precisei parar, tenho algum direito? Sim, há um prazo de tolerância para quem deixou de pagar. “É importante esclarecer que tenha contribuído anteriormente para a Previdência Social, e precisou parar por algum motivo, pode utilizar do chamado ‘período de graça’.

  • É um período em que o INSS mantém o direito dos segurados em usufruir dos benefícios, mesmo que não estejam mais contribuindo”, destaca Vieira.
  • Dessa maneira, contribuintes que eram empregados com carteira assinada podem se beneficiar do período de graça por até 12 meses, podendo ter o prazo prorrogado por até 24 ou 36 meses, no caso de alguém que tenha mais de 10 anos de contribuição ou comprove que não conseguiu arrumar emprego.

Para os contribuintes facultativos, o período de graça dura somente 6 meses e pode dobrar de prazo se for feita uma nova contribuição. Nunca contribuí para o INSS; posso ter algum benefício? Existem algumas situações que garantem os benefícios. Entre elas, estão:

Trabalhador rural:

You might be interested:  Como Pagar Com Cartão Virtual Na Maquininha?

Qualquer pessoa que trabalha ou já trabalhou no meio rural, como os pescadores artesanais, tem direito à aposentadoria por idade rural ainda que nunca tenha realizado contribuições para a Previdência Social. O único requisito é que seja comprovado o exercício das atividades rurais pelo período de 15 anos e que a pessoa tenha a idade mínima de 60 anos (homens) ou 55 anos (mulheres).

BPC/LOAS:

Trata-se do Benefício de Prestação Continuada ( BPC ), que se assemelha a uma aposentadoria, garantido para as pessoas de baixa renda. Os benefícios, no entanto, não são os mesmos da aposentadoria do INSS. É uma prestação mensal garantida pela Lei Orgânica da Assistência Social (LOAS) no valor de R$ 1.212,00 (um salário mínimo).

Ter renda familiar igual ou inferior a um quarto do salário mínimo (R$ 303,00 em 2022) para cada membro familiar que vive com o requerente do benefício;Ser constatada a baixa renda social do requerente do BPC por meio de uma avaliação social na residência, feita por um assistente social do Centro de Referência da Assistência Social (Cras) da região;Estar inscrito e com a matrícula atualizada no CadÚnico.

Quem contribui com 20% do salário mínimo se aposenta com quanto?

Plano Simplificado: alíquota de 11% – Uma segunda opção será a alíquota de 11%, que é chamada de Plano Simplificado. Essa alíquota equivale ao valor de R$ 133,32 de um salário-mínimo (R$ 1.212,00), em 2022. Ela será possível para os autônomos que não prestam serviço e nem têm relação de emprego com Pessoa Jurídica (PJ), e também para os segurados facultativos,

Quem tem 5 anos de contribuição pode se aposentar por idade?

Existe um mínimo de contribuição para se aposentar? – Verdade, existe sim uma quantidade mínima de contribuições que o trabalhador precisa ter para conseguir se aposentar pelo INSS! O menor tempo de contribuição exigido pelo INSS é de 15 anos de tempo de contribuição (180 meses). Esse é um dos requisitos da aposentadoria por idade em 2023:

a carência de 180 meses (ou 15 anos ) e a idade mínima de 62 anos (mulher) e a idade mínima de 65 anos (homem)

Esse é o menor tempo de contribuição exigido, existem outras regras de aposentadoria, mas que exigem um tempo de contribuição maior.

Quais são os direitos de quem paga 5% do INSS?

Dona de casa que contribui com 5% para o INSS tem direto a aposentadoria. Saiba como Você sabia que a dona de casa pode contribuir com 5% sobre o atual salário mínimo (R$ 1.212) para ter direito à aposentadoria do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS )? Mas, para isso, deverá comprovar baixa renda.

Neste caso, a família deve ter renda mensal de até dois pisos nacionais e estar inscrita no Cadastro Único (CadÚnico), que é a porta de entrada para programas sociais do governo federal. Assim, a dona de casa pode contribuir com R$ 60,60 por mês, mesmo que não tenha carteira assinada. Assim como os demais trabalhadores, as donas de casa também têm o direito de se aposentar.

Mesmo não exercendo uma atividade remunerada, esse trabalho tem muita importância para a família. No INSS, a dona de casa se encaixa na categoria de contribuinte facultativo, ou seja, ela não é obrigada a contribuir com a Previdência Social, mas pode fazê-lo.

  1. Para fazer a inscrição no CadÚnico, é preciso comparecer a um Centro de Referência e Assistência Social ( Cras ), no município onde reside.
  2. Algumas unidades do Rio Poupa Tempo também fazem o cadastramento.
  3. Pagando 5% do salário mínimo, a dona de casa tem direito a benefícios do INSS, incluindo aposentadoria por idade.

A partir de 2023, a idade exigida para a concessão dessa aposentadoria será de 62 anos para as mulheres e de 65 anos para os homens. Já o tempo de contribuição mínimo para mulheres é de 15 anos, e para homens, de 20 anos (para aquele que já contribuía antes da reforma da Previdência, ainda se exige o mínimo de 15 anos).

Qual o melhor código para pagar INSS autônomo?

Assescorp – Assessoria Contabil Principais formas de recolhimento para Previdência Social Existem códigos de contribuição da Previdência Social que definem quanto você precisa pagar por mês e qual tipo de aposentadoria poderá solicitar. Esse número deve ser preenchido corretamente na Guia da Previdência Social (GPS) para garantir que você receberá seus direitos quando precisar.

O primeiro passo é saber qual a diferença entre Contribuinte Individual e Contribuinte Facultativo : O contribuinte individual é o autônomo que presta serviço para pessoa física. Quem trabalha por conta, mas para empresas, não precisa preencher a GPS porque o cliente deve recolher o INSS para você (é descontado do pagamento do seu serviço).

Mas quem trabalha para pessoa física precisa escolher um tipo de contribuição e pagá-la mensalmente. Já o contribuinte facultativo é aquele que não tem renda própria, mas quer garantir a aposentadoria no futuro fazendo o pagamento do INSS. São os estudantes, as donas de casa ou quem ficou desempregado, por exemplo.

  • No caso de quem perdeu o emprego, é possível começar a contribuir por conta logo no mês seguinte à saída da empresa.
  • Abaixo os cinco principais códigos e para que serve cada um: Código 1007 – Contribuinte Individual Você pode ser um contribuinte individual através do código 1007 se for autônomo que presta serviço para pessoa física e quer recolher 20% do seu salário todo mês.

O valor máximo dessa contribuição é de 20% de R$ 5.839,45 (tabela do ano de 2019). Mas se você ganha mais do que isso, continue contribuindo com 20% desse valor. Você tem direito às pensões do INSS e aos dois tipos de aposentadoria: por idade ou por tempo de serviço.

Código 1163 – Contribuinte Individual Também é um código para autônomos que prestam serviço para pessoa física. Nesse caso, você deve contribuir mensalmente com 11% do salário mínimo. Quem usa esse código tem direito às pensões e ao auxílios do INSS, mas apenas à aposentadoria por idade. Código 1406 – Contribuinte Facultativo Mensal Se você está desempregado, é dona de casa ou estudante que ainda não trabalha, pode usar este código e ser um contribuinte facultativo.

O menor pagamento será de 20% do salário mínimo (que atualmente com o salário mínimo em R$ 998,00, fica R$ 199,60) e o máximo 20% de R$ 5.839,45. A contribuição nesse código dá direito aos benefícios do INSS e às duas aposentadorias: por idade e por tempo de serviço.

Código 1473 – Contribuinte Facultativo Mensal Esse código também serve para estudantes, donas de casa e desempregados. A diferença é que essa contribuição deve ser de 11% do salário mínimo, que atualmente com o salário mínimo em R$ 998,00 ficaria R$ 109,78 por mês. É importante saber que você terá direito aos benefícios do INSS, mas poderá se aposentar apenas por idade.

Código 1830 – Contribuinte Facultativo Baixa Renda Este código vale para quem tem renda familiar de até dois salários mínimos e comprovou essa condição na Previdência Social. Nesse caso, você deverá pagar 5% sobre R$ 998,00. Então, o valor pago será de R$ 49,90.

  • Essa contribuição dá direito somente à aposentadoria por idade, não por tempo de serviço.
  • ATENÇÃO! Esta postagem é meramente informativa.
  • Dúvidas relacionadas a Previdência Social (aposentadorias, tempo de serviço/contribuição, média salarial e demais assuntos) serão sanadas diretamente com o Serviço Gratuito do INSS, no telefone 135,
You might be interested:  Como Desbloquear O Chip Da Vivo

: Assescorp – Assessoria Contabil

Qual o valor da parcela do INSS para autônomo 2023?

Como é calculada a contribuição? – O valor da contribuição para o INSS é calculado utilizando-se um percentual estipulado pela Previdência, sobre o que chamamos de salário de contribuição. Este salário, no caso de contribuintes contratados CLT, é a remuneração do trabalhador, para empresários é o pró-labore e para autônomos, o salário de contribuição é o valor total recebido durante o período.

Nos casos de contribuintes facultativos, ou seja, aqueles que não possuem um salário, o próprio contribuinte escolhe um valor de contribuição entre o salário mínimo de R$ 1.320,00 e o teto de contribuição do INSS, de $ 7.507,49. Vale ressaltar que as alíquotas (percentuais) sobre o salário de contribuição variam de acordo com o tipo de segurado e com a faixa de salário de contribuição.

Alguns outros fatores também determinam a forma do cálculo, então é importante estar atento para realizar a emissão da guia e garantir o correto recolhimento da contribuição para o INSS.

Como começar a contribuir para o INSS como autônomo?

O pagamento da contribuição por parte de autônomos pode ser feito pela internet, em casas lotéricas ou em agências bancárias, desde que haja o preenchimento correto da chamada Guia da Previdência Social (GPS), também conhecida como “Carnê do INSS”. E como preencher adequadamente a Guia da Previdência Social? É simples! Basta escolher o tipo de contribuição que melhor atenda aos seus interesses e necessidades e adicionar à Guia todos os dados pessoais solicitados também.

Finalmente, quem precisa fazer esse tipo de pagamento? Pessoas que trabalham por conta própria e não têm vínculo com nenhuma empresa, mas querem garantir sua aposentadoria no futuro, além de benefícios como salário-maternidade e salário-família; auxílios-doença, acidente e reclusão; reabilitação profissional, entre outros.

Quer saber mais? Veja a resposta completa para essas e outras questões no conteúdo a seguir e acompanhe os 5 passos para acertar em cheio ao pagar sua contribuição.

Quanto tenho que pagar de INSS para receber 2 salários?

Quanto pagar e como contribuir – A primeira categoria de contribuintes do INSS é o contribuinte individual : esses trabalhadores são os responsáveis ​​pelo pagamento de suas contribuições ao INSS. Em casos de maiores dúvidas, não respondidas ao longo deste arquivo, acesso o site do Governo Federal e leia os artigos disponíveis no site e tire suas dúvidas sobre o tema:,

Como em 2023? Nós revelamos!

Fonte: Reprodução/Freepik O contribuinte individual é responsável pelo recolhimento de suas próprias contribuições, portanto não pode se enganar com esse valor. Em caso de dados incorretos ou informações inverídicas, poderá perder seus direitos. Para que o contribuinte se aposente recebendo 2, deverá contribuir da seguinte forma:

  1. Aritmética simples: como base, utilize o plano de contribuição usual do INSS, ou 20% entre SMIC e teto (7 SMIC). Portanto, para obter um salário mínimo, você precisa contribuir com 20% desse valor.
  2. Contribuição em 2023 : o salário é de R$ 1.302,00, a base é de R$ 2.604,00 e a alíquota é de R$ 520,80. Diretamente, é isso que o INSS tem que pagar para se aposentar com um salário mínimo.

O primeiro é o tempo contribuído com os outros valores, conforme demonstrado acima. Cada vez que você contribui para uma taxa menor, ela entra no cálculo e efetivamente reduz sua pensão. O segundo ponto de influência é o fator tempo de contribuição. É indicado que o valor recebido na aposentadoria será de 60% da contribuição da pessoa que tiver 20 anos de contribuição para homens e 15 anos para mulheres. Fonte: Reprodução/Freepik Em seguida, aplique mais 2% a cada ano. Assim, após mais 20 anos de contribuição, receberá valores que pagou. Ou seja, 40 anos para homens e 35 anos para mulheres, aposentadoria exata de acordo com o prazo de pagamento, Portanto, pagar 2 salários só é interessante para quem conseguiu chegar o mais próximo possível do período de contribuição de 35 anos.

Quais são os benefícios para quem paga o INSS como autônomo?

Como contribuinte individual, o profissional autônomo é um segurado obrigatório do INSS como os empregados com carteira assinada. Portanto, o autônomo tem direito às mesmas aposentadorias que os demais segurados, com as mesmas regras: aposentadoria por idade, por tempo de contribuição e até especial.

Como contribuir para a Previdência estando desempregado?

Para complementar a contribuição realizada com a alíquota de 11% você deve pagar a diferença até a alíquota de 20%, ou seja, somar +9% do salário mínimo à primeira contribuição realizada. Os códigos para fazer a complementação são os seguintes: Complementação de 9% do Facultativo Mensal: 1686.

Qual é o tempo de contribuição para se aposentar?

Os homens precisam cumprir 35 anos de tempo de contribuição e 63 anos de idade, enquanto as mulheres devem contribuir por 30 anos e ter 58 anos de idade. Ao longo dos anos, a média de idade vai aumentando e assim, em 2031, as regras estarão equivalentes às da aposentadoria por idade.

Sou diarista e quero pagar o INSS?

Diarista deve pagar INSS? – Quando a empregada doméstica recebe o seu salário, há um desconto no contracheque denominado INSS. Por outro lado, a diarista recebe por diária e não salário. Dessa, não há desconto para o INSS na remuneração da diarista. Por exemplo, se a remuneração combinada com a diarista é R$ 150,00, o contratante vai pagar R$ 150,00 sem nenhum desconto.

You might be interested:  Como Fazer Cobertura De Chocolate Para Bolo?

Mas isto não significa que a diarista não está obrigada a pagar o INSS. Pelo contrário, como exerce atividade remunerada, a diarista é considerada uma contribuinte individual pelo INSS. Portanto, deve pagar o INSS por conta própria, por meio do Documento de Arrecadação do Simples Nacional do Microempreendedor Individual (o “DAS MEI”) ou por meio da Guia da Previdência Social (GPS) gerada no site da Receita Federal,

Ou seja, ao contrário do que muitas pessoas pensam, a diarista é obrigada a pagar o INSS por conta própria, Porém, muitas diaristas deixam de fazer isso por dois motivos:

  1. Falta de informação; ou
  2. Por imaginarem que é um “gasto” desnecessário.

Se você leu este texto até agora, já está informada! Porém, ainda pode estar se perguntando se vale a pena pagar o INSS. Será que vale a pena? Antes eu vou explicar quanto a diarista deve pagar para o INSS para depois demonstrar se vale a pena ou não.

Quem nunca contribuiu com a Previdência pode se aposentar por idade?

Nunca ter contribuído para o INSS é motivo de grande preocupação de alguns brasileiros, principalmente para aqueles que estão se aproximando da melhor idade. É ai que surge a duvida, se é ou não possível se aposentar sem nunca ter contribuído para o INSS.

  • Mas já vou te adiantar, que não.
  • Não é possível se aposentar sem nunca ter contribuído com a previdência.
  • Mas fique calmo, pois existe um benefício que ampara idosos que não vão conseguir a aposentadoria.
  • Estou falando sobre o benefício assistencial de prestação continuada o famoso BPC.
  • Se você se interessou pelo assunto e quer saber mais sobre esse benefício, continue conosco.

Leia Também: BPC Suspenso Ou Cancelado? Saiba Como Resolver

Quanto devo pagar para aposentar com um salário mínimo?

Exemplo 1 – Imagine que um empregado receba 1 salário mínimo por mês. Esta é a situação mais simples: a contribuição do empregado será de apenas 7,5% do salário mínimo. Em 2023, o valor do salário mínimo é R$ 1.302,00. Portanto, o valor da contribuição para o INSS será R$ 97,65 neste caso.

Como pagar INSS para completar tempo de contribuição?

Quando você não precisa comprovar o seu trabalho – Quando os recolhimentos estiverem atrasados em, no máximo, 5 anos e você estiver cadastrado na categoria ou atividade correspondente no INSS, não é necessário comprovar o trabalho exercido, Isso significa que você não é obrigado a demonstrar que estava trabalhando na categoria ou atividade que você cadastrou junto à Previdência Social quando do primeiro recolhimento.

Quantas contribuições são necessárias para ter direito aos benefícios no INSS?

Alíquota de 20% sobre a remuneração – No plano normal, a alíquota é de 20% sobre a remuneração. Essa opção é para aqueles que almejam a aposentadoria por tempo de contribuição ou querem garantir valor de benefício maior que o salário mínimo, se optar pela aposentadoria por idade.

Esse percentual é limitado ao teto do INSS, Quem contribui ao INSS com 20% pode se aposentar por tempo de contribuição, completando 35 anos de trabalho, quando homens, e 30 anos quando mulheres. Também pode se aposentar por idade, tendo a mínima de 65 anos para homens e 60 anos para mulheres. O tempo de carência para se ter direito ao benefício é de 180 contribuições.

Outros benefícios previdenciários que tem direito o contribuinte facultativo 1406 são aposentadorias por invalidez, auxílio doença, auxílio reclusão e salário maternidade.

Qual o valor da contribuição do INSS para 2023?

Os novos valores dependerão da alíquota que o segurado paga, seja 5%, 11% ou 20% sobre o salário-mínimo. Veja-se: 5% (segurado facultativo baixa renda e MEI): R$ 66,00.11%: R$ 145,20.

Quais são os direitos de quem paga 5% do INSS?

Dona de casa que contribui com 5% para o INSS tem direto a aposentadoria. Saiba como Você sabia que a dona de casa pode contribuir com 5% sobre o atual salário mínimo (R$ 1.212) para ter direito à aposentadoria do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS )? Mas, para isso, deverá comprovar baixa renda.

Neste caso, a família deve ter renda mensal de até dois pisos nacionais e estar inscrita no Cadastro Único (CadÚnico), que é a porta de entrada para programas sociais do governo federal. Assim, a dona de casa pode contribuir com R$ 60,60 por mês, mesmo que não tenha carteira assinada. Assim como os demais trabalhadores, as donas de casa também têm o direito de se aposentar.

Mesmo não exercendo uma atividade remunerada, esse trabalho tem muita importância para a família. No INSS, a dona de casa se encaixa na categoria de contribuinte facultativo, ou seja, ela não é obrigada a contribuir com a Previdência Social, mas pode fazê-lo.

Para fazer a inscrição no CadÚnico, é preciso comparecer a um Centro de Referência e Assistência Social ( Cras ), no município onde reside. Algumas unidades do Rio Poupa Tempo também fazem o cadastramento. Pagando 5% do salário mínimo, a dona de casa tem direito a benefícios do INSS, incluindo aposentadoria por idade.

A partir de 2023, a idade exigida para a concessão dessa aposentadoria será de 62 anos para as mulheres e de 65 anos para os homens. Já o tempo de contribuição mínimo para mulheres é de 15 anos, e para homens, de 20 anos (para aquele que já contribuía antes da reforma da Previdência, ainda se exige o mínimo de 15 anos).

Qual o valor da contribuição do INSS 2023?

Cálculo INSS para empregado doméstico – No caso do cálculo do INSS para empregado doméstico, a contribuição é descontada da folha de pagamento do empregado. Por isso, o cálculo vai depender da faixa de salário que esse empregado recebe:

Faixa de salário Alíquota aplicada Alíquota efetiva
1ª) Até um salário mínimo (R$ 1.320,00 desde 01/05/2023) 7,5% 7,5%
2ª) De R$ 1.320,01 a R$ 2.571,29 9% 7,5% a 8,25%
3ª) De R$ 2.571,29 a R$ 3.856,94 12% 8,25% a 9,5%
4ª) De R$ 3.856,94 a R$ 7.507,49 (Teto do INSS) 14% 9,5% a 11,69%

Qual o valor do INSS para desempregado?

Alíquota de 11% sobre o salário-mínimo – No caso da alíquota de 11%, estamos falando do plano simplificado de contribuição, onde você pode contribuir apenas sobre um salário-mínimo. Em 2023, a contribuição fica no valor de R$ 145,20 (11% de R$ 1.320,00 em 2023).