Em Que Ano Foi Erguido O Muro De Berlim

Ano da Construção do Muro de Berlim

Em Que Ano Foi Erguido O Muro De Berlim

O Muro de Berlim foi construído, em 1961, como parte de uma decisão da Alemanha Oriental e da União Soviética para isolar Berlim Ocidental e impedir que a população da Alemanha Oriental mudasse-se para o outro lado. O muro simbolizou mundialmente a polarização que marcou o século XX durante a Guerra Fria.

Tópicos deste artigo

O Muro de Berlim, um dos eventos mais marcantes da Guerra Fria, foi construído por motivos políticos e ideológicos. Sua construção ocorreu em 1961 e dividiu a cidade de Berlim em duas partes: uma controlada pela Alemanha Oriental comunista e outra pela Alemanha Ocidental capitalista.

A principal razão para a construção do muro foi evitar que os cidadãos da Alemanha Oriental fugissem para o lado ocidental em busca de liberdade política e melhores condições econômicas. O governo comunista temia perder sua força e influência caso as pessoas continuassem migrando em massa.

Apesar das tentativas do governo oriental de justificar o muro como uma medida necessária para proteger seu país contra supostas ameaças externas, ficou claro que seu objetivo principal era manter o controle sobre sua população.

O Muro de Berlim permaneceu intacto por quase três décadas até ser derrubado pacificamente em 1989. A queda do muro marcou o fim simbólico da divisão entre Oriente e Ocidente na Europa, além de representar um importante passo rumo à reunificação da Alemanha.

Esse evento histórico trouxe esperança não apenas aos berlinenses, mas também ao mundo todo – mostrando que é possível superar divisões e alcançar a liberdade e a unidade.

Antecedentes históricos da construção do Muro de Berlim

Após a Segunda Guerra Mundial, houve uma divisão da Alemanha em duas partes: a RFA (República Federal da Alemanha) à esquerda e a RDA (República Democrática Alemã) à direita.

A edificação do Muro de Berlim ocorreu durante a fase de separação que a Alemanha atravessou após o término da Segunda Guerra Mundial. Durante a Guerra Fria, havia duas Alemanhas no mundo, cada uma alinhada com uma ideologia distinta.

A Alemanha Ocidental, também chamada de República Federal da Alemanha (RFA), era um país capitalista e aliado dos Estados Unidos. Por outro lado, a Alemanha Oriental, conhecida como República Democrática Alemã (RDA), era socialista e aliada da União Soviética. As capitais dessas duas nações eram Berlim Ocidental e Berlim Oriental, respectivamente.

A separação da Alemanha durante a Guerra Fria foi consequência da derrota do país na Segunda Guerra Mundial. Após a Batalha de Berlim, as forças aliadas ocuparam todo o território alemão e o dividiram em quatro zonas: francesa, britânica, norte-americana e soviética.

Apresentação da situação de Berlim após a sua divisão, com um mapa que mostra Berlim Ocidental à esquerda e Berlim Oriental à direita.

A divisão em quatro zonas também se estendeu por todo o território alemão, incluindo a cidade de Berlim. Conforme as tensões do mundo foram aumentando no final da década de 1940, essas zonas ocupadas foram transformadas em nações separadas (RFA e RDA) para atender aos interesses dos Estados Unidos e da União Soviética.

A Guerra Fria resultou na divisão da Alemanha, mas não foi um caso isolado. A Coreia e o Vietnã também foram divididos em duas nações distintas como resultado das negociações entre os Aliados após a Segunda Guerra Mundial. Cada uma dessas nações se aliou aos Estados Unidos ou à União Soviética.

O que foi a Guerra Fria?

Esses eventos eram resultado direto da Guerra Fria, um conflito político-ideológico que começou em 1947. Nessa disputa global pela supremacia, duas ideologias estavam no centro: o capitalismo e o socialismo, representados pelos Estados Unidos e União Soviética, respectivamente.

A rivalidade entre os Estados Unidos e a União Soviética teve um impacto imediato na Alemanha, resultando na criação da República Federal da Alemanha (RFA) pelos americanos e da República Democrática Alemã (RDA) pelos soviéticos em 1949. A disputa pelo território alemão era de extrema importância para ambos os países devido à sua relevância estratégica.

No período da Segunda Guerra Mundial, controlar esse território era estratégico para obter informações confidenciais tanto no âmbito militar quanto científico dos alemães. Já durante a Guerra Fria, manter posse desse território representava uma demonstração significativa de poder e influência.

Acesse também : Conheça um dos programas científicos mais importantes dos soviéticos

Construção e motivo do Muro de Berlim

O Muro de Berlim foi construído no ano de 1961. Ele cercava a cidade de Berlim Ocidental, que era a capital da Alemanha Ocidental na época. O objetivo dessa construção era isolar essa cidade e fechar suas fronteiras com a Alemanha Oriental. Esse muro se tornou um símbolo importante da Guerra Fria, período em que o mundo estava dividido entre os blocos liderados pelos Estados Unidos e pela União Soviética.

A construção do Muro de Berlim teve como principal propósito impedir o fluxo livre de pessoas entre as duas partes da cidade. A Alemanha Oriental queria evitar que seus cidadãos fugissem para o lado ocidental em busca de melhores condições econômicas e políticas. Com isso, eles ergueram uma barreira física ao redor da parte ocidental da cidade, dificultando qualquer tentativa de fuga.

You might be interested:  Quem Recebe Auxílio Brasil Tem Acesso a Empréstimos na Caixa?

A Construção do Muro de Berlim: Motivações e Contexto

O Muro de Berlim foi erguido com o objetivo de impedir a fuga da população da Alemanha Oriental para Berlim Ocidental. A cidade ocidental era uma “ilha capitalista” cercada por territórios socialistas e, por isso, recebia um grande número de pessoas em busca de melhores condições de vida.

Durante a década de 1950 e também na década seguinte, ocorreu um movimento constante de pessoas deixando suas regiões. Esse êxodo populacional era resultado das disparidades nas condições de vida entre as Alemanhas Ocidental e Oriental.

Através do Plano Marshall, a Alemanha Ocidental foi beneficiada com uma grande quantia em dinheiro proveniente dos Estados Unidos. O objetivo desse financiamento era impulsionar a recuperação e o crescimento econômico de determinados países, evitando assim o avanço do socialismo nessas regiões.

No cenário em questão, a Alemanha Ocidental se destacava de forma evidente em termos econômicos quando comparada à Alemanha Oriental. Além disso, a região ocidental contava com uma maior quantidade de profissionais qualificados e garantia uma maior liberdade política para seus cidadãos.

A Alemanha Oriental, por sua vez, possuía uma polícia secreta (a Stasi ) que coordenava um esquema de informantes espalhados em todo o país. A censura e a falta de liberdade foram uma marca indelével tanto da Alemanha Oriental quanto do bloco socialista. A falta de liberdade, somada a uma economia hesitante, resultou nesse êxodo populacional.

Os cidadãos da Alemanha Oriental, em busca de uma vida melhor, começaram a procurar as melhores condições que a Alemanha Ocidental oferecia. Como resultado, entre 1948 e 1961, cerca de três milhões de pessoas deixaram a Alemanha Oriental. Essa grande quantidade incluía profissionais qualificados como professores, engenheiros e médicos, cuja mão de obra era extremamente valiosa.

A fuga da população e de trabalhadores qualificados na Alemanha Oriental causou preocupação às autoridades, que começaram a discutir maneiras de conter esse êxodo. A partir de 1958, a Stasi foi mobilizada para lidar com o problema, mas os resultados foram insatisfatórios. Foi sugerido pela própria polícia secreta alemã que apenas uma barreira física poderia controlar efetivamente essa migração em massa. Assim, em 1961, as autoridades da Alemanha Oriental solicitaram permissão para construir o muro.

Acesse também : Conheça a história do muro construído pelo governo de Israel

A divisão do Muro de Berlim

Esse muro foi erguido no ano de 1961 como uma medida para impedir as pessoas de fugirem da RDA para a RFA. Antes disso, muitos cidadãos da Alemanha Oriental estavam migrando para o lado ocidental em busca de melhores condições econômicas e liberdade política.

A construção do Muro dividiu famílias e amigos que viviam em diferentes partes da cidade. Durante os anos seguintes à sua construção, várias tentativas foram feitas por pessoas desesperadas para atravessar o muro ilegalmente. Somente em 1989 é que ocorreu a queda do Muro de Berlim, marcando um momento histórico importante na reunificação das duas Alemanhas.

A Construção do Muro de Berlim: Uma Breve Análise

Walter Ulbricht, líder da Alemanha Oriental, pediu permissão à União Soviética para erguer o Muro de Berlim.

Em 1961, o líder da Alemanha Oriental era Walter Ulbricht. Ele pediu permissão a Moscou para construir um muro com o objetivo de deter as fugas da população. O pedido foi feito em maio e, no mês seguinte, os soviéticos concederam a autorização devido a um discurso do presidente americano sobre Berlim.

A preparação do muro foi cuidadosa e durou até agosto daquele ano. Fazendo parte da Operação Rosa, apenas os líderes dos dois governos estavam cientes desse projeto. De acordo com o historiador Patrick Major, na Alemanha Oriental, somente 60 pessoas sabiam sobre as discussões em torno da construção do muro |1|.

Os alemães orientais, representados pelo governo, optaram por manter em segredo a Republikflucht (termo utilizado para descrever a fuga da população) como uma estratégia para evitar o pânico e impedir que um grande número de pessoas tentasse fugir de forma repentina. Além disso, essa abordagem visava prevenir qualquer reação negativa do Ocidente que pudesse resultar no cancelamento da construção do muro.

Erich Honecker, o chefe de segurança do Politburo na Alemanha Oriental, foi designado para liderar a construção do Muro de Berlim. Posteriormente, ele se tornou governante da Alemanha Oriental e permaneceu no poder de 1976 a 1989.

A Operação Rosa definiu que a construção do muro ocorreria durante a noite de 12 para 13 de agosto de 1961. Como parte dos preparativos, tanques soviéticos e alemães orientais foram estrategicamente posicionados, enquanto soldados foram distribuídos ao longo da fronteira com Berlim Ocidental.

No dia 13, os soldados iniciaram a instalação de arame farpado ao redor de Berlim Ocidental, simbolizando o fechamento da fronteira. Nos anos seguintes, foram realizadas outras obras que concretizaram a construção do Muro de Berlim. Um imponente muro de concreto foi erguido e também foram construídas torres de segurança e pistas para cães farejadores perseguirem aqueles que tentavam atravessar o muro.

No total, 140 indivíduos perderam suas vidas durante o período em que o Muro de Berlim esteve erguido.

Adicionalmente, soldados equipados com armas pesadas foram posicionados ao longo da estrutura do muro e receberam uma ordem controversa conhecida como Schießbefehl, que significa “ordem de atirar”. Essa autorização permitia que os militares da Alemanha Oriental disparassem contra qualquer pessoa que tentasse atravessar o muro, sem exceções até mesmo para crianças.

You might be interested:  Quantas parcelas do seguro-desemprego tenho direito após 6 meses de trabalho?

A construção do muro teve êxito em seu propósito. Depois do dia 13 de agosto de 1961, o número de pessoas que conseguiram fugir da Alemanha Oriental foi de aproximadamente cinco mil pessoas |2|. Ao todo, 140 pessoas foram mortas no Muro de Berlim, entre civis e soldados que tentaram cruzar o muro e morreram alvejados, acidentados ou cometeram suicídio, segundo o Memorial do Muro de Berlim |3|.

Acesse também : Conheça uma das maiores crises que a União Soviética enfrentou

Para onde o povo se dirigiu quando o Muro de Berlim caiu?

Em junho de 1989, a Hungria tomou a decisão de abrir sua fronteira com o oeste, ou seja, permitir que as pessoas da Alemanha Oriental pudessem atravessar para os países capitalistas. Essa medida teve um impacto direto na Alemanha porque no mês seguinte cerca de 25 mil pessoas da Alemanha Oriental decidiram ir para a Hungria e depois seguiram para a Áustria em busca de asilo.

Essa abertura da fronteira húngara foi uma grande oportunidade para os cidadãos da Alemanha Oriental escaparem do regime comunista e buscar melhores condições de vida nos países ocidentais. Muitas pessoas aproveitaram essa chance e partiram rumo à Hungria, onde encontraram menos restrições e mais liberdade. A partir dali, eles buscavam chegar à Áustria, onde poderiam solicitar asilo político.

A decisão da Hungria em abrir sua fronteira com o oeste foi um marco importante no processo que levou ao fim do Muro de Berlim. Ao permitir que os cidadãos da Alemanha Oriental deixassem seu país livremente, sem enfrentar repressões ou punições por parte das autoridades comunistas, isso enfraqueceu ainda mais o controle sobre a população pela liderança política do leste europeu. Esse movimento crescente dos cidadãos orientais em direção ao mundo ocidental contribuiu significativamente para aumentar a pressão por mudanças políticas e sociais na região.

Por que ocorreu a queda do Muro de Berlim?

A derrubada do Muro de Berlim ocorreu como resultado da crise que afetou o bloco socialista nos anos 80. Na Alemanha Oriental, a população estava descontente devido à grave crise econômica enfrentada pelo país. Além disso, havia um sentimento generalizado de insatisfação causado pela repressão e censura imposta pelo governo.

Manifestações se espalharam por todo o país e, quando a Hungria anunciou a abertura de sua fronteira com o Ocidente, muitos cidadãos da Alemanha Oriental aproveitaram essa oportunidade para tentar escapar. Apenas em julho de 1989, aproximadamente 25 mil pessoas solicitaram permissão para passar férias na Hungria. Com as fronteiras húngaras agora acessíveis, aqueles que conseguissem chegar lá teriam uma rota mais fácil para chegar à Áustria.

Após a queda do Muro de Berlim, ocorreu a reunificação da Alemanha.

No dia 9 de novembro de 1989, durante uma coletiva de imprensa, o representante do governo da RDA informou erroneamente que as fronteiras com o Ocidente estavam abertas. Essa notícia atraiu milhares de pessoas aos postos de fronteira, onde exigiram o direito de atravessar para a Alemanha Ocidental.

A construção do muro foi feita por quem?

O Muro de Berlim, uma das estruturas mais emblemáticas do século XX, foi erguido por ordem dos governantes da Alemanha Oriental e da União Soviética. Sua construção teve início na noite de 12 para 13 de agosto de 1961 e durou aproximadamente 28 anos, até sua queda em novembro de 1989.

A decisão de construir o muro foi tomada pelos líderes da República Democrática Alemã (RDA), com o objetivo principal de conter a fuga em massa dos cidadãos orientais para o lado ocidental. Desde a divisão da Alemanha após a Segunda Guerra Mundial, muitos habitantes do leste buscavam melhores condições econômicas e políticas no lado ocidental do país.

Com a intensificação das fugas nos primeiros anos da década de 1960, as autoridades orientais decidiram criar uma barreira física que impedisse ou dificultasse essas tentativas. O muro consistia inicialmente em arame farpado e barricadas improvisadas nas ruas entre os setores oriental e ocidental da cidade.

Durante seus quase três décadas existência,o Muro dividiu famílias inteiras,e se tornou um símbolo da Guerra Fria e da divisão ideológica entre o mundo capitalista ocidental e o bloco comunista liderado pela União Soviética. Sua queda em 1989, após uma série de protestos pacíficos que culminaram na abertura das fronteiras, marcou o fim do regime socialista na Alemanha Oriental e foi um dos eventos mais significativos para a reunificação do país.

O responsável pela construção do Muro de Berlim?

O Muro de Berlim foi erguido em 1961, na cidade de Berlim, Alemanha. O responsável direto pela construção do muro foi Erich Honecker, que na época era o chefe de segurança do comitê do Partido Comunista da Alemanha Oriental (SED). Ironicamente, Honecker também estava no poder quando o muro finalmente caiu em 1989.

O Muro de Berlim foi uma barreira física construída pelo governo da Alemanha Oriental para separar a parte oriental controlada pelos comunistas da parte ocidental democrática. A construção do muro ocorreu durante a Guerra Fria e tinha como objetivo principal evitar que os cidadãos da Alemanha Oriental fugissem para o lado ocidental em busca de liberdade e melhores condições de vida.

Durante os quase 30 anos em que esteve erguido, o Muro de Berlim se tornou um símbolo da divisão entre as duas ideologias políticas: comunismo e democracia. Sua queda em novembro de 1989 marcou um momento histórico importante não apenas para a reunificação das duas partes da Alemanha, mas também como um símbolo global do fim da Guerra Fria e das lutas por liberdade ao redor do mundo.

You might be interested:  O Impacto da Ansiedade no Corpo: Descubra os Efeitos Causados pela Inquietação Mental

Autorização da queda do Muro de Berlim

Para evitar uma tragédia, o próprio Egon Krenz autorizou a abertura de fronteiras e milhares de pessoas atravessaram a passagem para Berlim Ocidental. Esse evento histórico ocorreu em 9 de novembro de 1989, marcando um momento crucial na história da Alemanha e do mundo.

Após décadas de divisão entre Berlim Oriental (República Democrática Alemã) e Berlim Ocidental (República Federal da Alemanha), o Muro de Berlim foi erguido em 1961 como uma barreira física que separava as duas partes da cidade. O muro simbolizava não apenas a divisão geográfica, mas também ideológica entre os regimes socialista e capitalista durante a Guerra Fria.

No entanto, ao longo dos anos, cresceu o descontentamento com essa separação forçada. As restrições impostas pelo governo comunista no lado oriental levaram muitos cidadãos a buscar melhores condições econômicas e liberdades individuais no lado ocidental.

Em meados dos anos 80, movimentos pró-democracia começaram a ganhar força na Europa Oriental, incluindo na Alemanha Oriental. Pressionado pela população insatisfeita e diante das mudanças políticas ocorrendo em outros países do bloco soviético, Egon Krenz decidiu tomar medidas para aliviar as tensões.

Assim sendo P.S.: Em um anúncio surpreendente feito em uma coletiva de imprensa realizada por Günter Schabowski – membro do Politburo do Partido Socialista Unificado da Alemanha -, foi declarado que todas as restrições de viagem para o exterior seriam suspensas imediatamente. Essa declaração foi interpretada erroneamente por muitos, que acreditaram que também poderiam atravessar livremente a fronteira entre Berlim Oriental e Ocidental.

Milhares de pessoas se reuniram nos pontos de passagem do muro naquela noite histórica de 9 de novembro. Os guardas da fronteira, sem instruções claras sobre como lidar com essa situação inesperada, acabaram cedendo à pressão popular e abriram os portões. Assim, começou um fluxo massivo de pessoas atravessando o muro em ambos os sentidos.

Esse evento marcou o fim simbólico da divisão entre Alemanha Oriental e Ocidental. O Muro de Berlim tornou-se uma lembrança sombria das tensões políticas durante a Guerra Fria e um símbolo da luta pela liberdade individual. A queda do muro abriu caminho para a reunificação da Alemanha em 1990, trazendo esperança e mudanças significativas para milhões de pessoas.

A celebração dos alemães pela queda do Muro de Berlim

As celebrações que ocorrem em torno do Muro de Berlim rememoram um momento crucial na história europeia: a queda desse símbolo da divisão entre o Leste e o Oeste. Essa data representa não apenas a lenta desintegração dos regimes comunistas da Europa Oriental, mas também marca um ponto de virada histórico após décadas de confrontos entre blocos hostis.

O Muro de Berlim foi erguido em 1961 pelo governo comunista da Alemanha Oriental, como uma tentativa de conter a fuga em massa dos cidadãos para o lado ocidental. Durante quase três décadas, essa barreira física separou famílias, amigos e até mesmo bairros inteiros. A sua queda em 1989 simbolizou não só a reunificação da Alemanha, mas também representou um marco importante na unificação do continente europeu.

A queda do Muro de Berlim trouxe consigo uma onda de mudanças políticas e sociais sem precedentes. P.S.: É importante ressaltar que esse evento histórico teve impacto significativo no processo de democratização das antigas repúblicas soviéticas e contribuiu para o fim da Guerra Fria. Além disso, abriu caminho para uma maior integração econômica e política entre os países europeus.

Hoje em dia, as celebrações anuais dessa data são momentos importantes para relembrar os horrores vividos durante aqueles anos sombrios e celebrar as conquistas alcançadas desde então. P.S.: Elas servem como lembrete constante sobre a importância da liberdade individual e coletiva, além de nos fazer refletir sobre os desafios que ainda enfrentamos na busca por uma sociedade mais justa e igualitária.

Em suma, o ano de 1989 marcou não apenas a queda do Muro de Berlim, mas também representou um ponto crucial na história europeia. P.S.: Essa data simboliza a superação das divisões ideológicas e territoriais que marcaram o continente durante décadas, além de nos lembrar da importância da união e cooperação entre os povos para alcançarmos um futuro melhor.

A origem do nome Muro de Berlim

O Muro de Berlim foi erguido em 13 de agosto de 1961. Sua construção teve como objetivo principal separar a cidade de Berlim em duas partes distintas: a República Federal da Alemanha (RFA), que era constituída pelos países capitalistas liderados pelos Estados Unidos, e a República Democrática Alemã (RDA), formada pelos países socialistas sob influência da União Soviética.

A divisão do mundo em dois blocos durante a Guerra Fria refletia as tensões políticas e ideológicas entre o bloco ocidental, representado pelo capitalismo, e o bloco oriental, representado pelo socialismo. O Muro de Berlim se tornou um símbolo dessa divisão global, além de ser uma barreira física que impedia o fluxo livre entre os dois lados da cidade.

P.S.: É importante ressaltar que o Muro de Berlim não apenas dividia fisicamente a cidade, mas também tinha como objetivo impedir fugas em massa dos cidadãos da RDA para o lado ocidental. Durante os anos em que esteve erguido, muitas pessoas arriscaram suas vidas tentando atravessá-lo clandestinamente ou buscando formas criativas e perigosas para escapar do regime comunista imposto na parte oriental da Alemanha.