O Que É Dna? - CLT Livre

O Que É Dna?

O que e DNA resumido?

O DNA (ácido desoxirribonucleico) é um ácido nucleico que apresenta todas as informações genéticas de um indivíduo. O DNA (ácido desoxirribonucleico) é um tipo de ácido nucleico que possui papel fundamental na hereditariedade, sendo considerado o portador da mensagem genética.

  • É no DNA que estão codificadas todas as características de um ser vivo, que são únicas em cada indivíduo.
  • Através desse ácido nucleico, é possível identificar pessoas, realizar testes que indicam a paternidade, solucionar crimes, identificar doenças antes destas se manifestarem e até mesmo controlar a síntese de algumas substâncias através de técnicas de engenharia genética.

Os ácidos nucleicos, que podem ser DNA ou RNA, são constituídos por uma pentose, um ácido fosfórico e uma base nitrogenada. No caso do DNA, a pentose é do tipo desoxirribose e as bases nitrogenadas são adenina, citosina, guanina e timina, O conjunto formado pela pentose, pelo ácido fosfórico e pela base nitrogenada forma o nucleotídeo. Observe a estrutura de um nucleotídeo O DNA teve sua estrutura descrita em 1953 por James Watson e Francis Crick em seu trabalho ” Molecular structure of the nucleic acids ” (em português, Estrutura molecular dos ácidos nucleicos ) publicado na revista Nature,

Esses pesquisadores deram o nome de dupla-hélice ao modelo proposto para descrever a estrutura do DNA. Segundo esse modelo, os nucleotídios unem-se através da ligação fosfodiéster, formando longas cadeias polinucleotídicas. O DNA apresenta duas dessas cadeias que se mantêm unidas através de ligações de hidrogênio e estão enroladas de forma semelhante a uma escada helicoidal.

As ligações de hidrogênio ocorrem entre os pares de bases nitrogenadas e formam-se apenas em bases específicas. A adenina só se liga à timina e a guanina só se liga à citosina, sendo assim, as duas cadeias do DNA são complementares, Na ligação entre a adenina e a timina, ocorrem duas ligações de hidrogênio, enquanto na ligação entre a guanina e a citosina ocorrem três ligações.

  • Não pare agora.
  • Tem mais depois da publicidade 😉 É importante destacar que todas as espécies vivas apresentam um DNA formado apenas por essas quatro bases nitrogenadas e o DNA de qualquer tecido de um indivíduo apresenta a mesma sequência de bases.
  • O DNA apresenta regiões específicas chamadas de genes, que são herdados de nossos pais.

Esses genes são responsáveis pela produção de uma molécula de RNA, que serve para orientar a síntese de proteínas com base nas informações fornecidas pelo nosso DNA. É por isso que dizemos que o DNA contém todas as informações de um organismo, porque é nele que encontramos o código necessário para a produção de cada proteína do nosso corpo.

O DNA é encontrado nos cromossomos de nossas células e nas nossas mitocôndrias. Nos vegetais, esse material genético é encontrado também no interior dos plastos, como o cloroplasto. O DNA nas células eucarióticas apresenta-se de maneira linear, já nas células procariontes, mitocôndrias e plastos, é encontrado em forma de molécula circular.

Curiosidade: Hoje é possível colocar genes de uma célula em outra através da técnica do DNA recombinante. Por meio dessa técnica, é possível produzir transgênicos, vacinas e medicamentos. Um dos exemplos mais conhecidos dessa tecnologia é a introdução de genes humanos em bactérias, que passaram a produzir insulina.

O que e um DNA e para que serve?

O DNA é uma molécula extremamente importante para os seres vivos. São funções do DNA: Armazenar e transmitir as informações genéticas. Funcionar como molde para a síntese da molécula de RNA.

O que e o DNA do ser humano?

Genética: o que é o DNA e o que ele faz? – Sucessivos estudos que vem desde 1863, que foi o período em que Mendel demonstrou a existência de uma partícula hereditária, até a elucidação e confirmação da estrutura do DNA, por Rosalind Franklin (1951), Watson e Crick (figura 1a e 1b), o DNA tem sido reconhecido como o responsável por guardar toda a informação genética de um indivíduo.

  1. A molécula chamada ácido desoxirribonucleico ou DNA é um tipo de ácido nucleico, onde encontramos todas as informações necessárias para a síntese de proteínas e, por isso, ele é o responsável por armazenar todas as características de um indivíduo.
  2. Além da síntese das proteínas, o DNA também é o responsável por codificar moléculas de ácido ribonucleico (RNA) que, por sua vez, irão ajudar na decodificação do próprio DNA.

Visto isso, podemos dizer que o DNA é a peça fundamental no dogma central da biologia molecular. Uma particularidade é que, para guardar e passar toda a informação hereditária, a molécula precisa manter uma fidelidade compatível com sua função.

Qual é a origem do DNA?

Atualizado em 25/07/2013, às 12h10 O DNA foi descoberto em 1869 pelo bioquímico suíço Johann Friedrich Miescher (1844-1895), discípulo do professor Ernst Felix Immanuel Hoppe-Seyler (1825-1895), que desenvolveu vários estudos importantes, principalmente no que se refere à hemoglobina.

  • Mas, até então, não se conhecia a estruturação tridimensional do DNA – e nem como poderia ser sua configuração molecular.
  • Em 1916, nascia Francis Harry Compton Crick, em Northampton, na Inglaterra.
  • Filho de um fabricante de sapatos, desde cedo ele mostrou ter certa tendência para assuntos da ciência.
  • Formou-se em Física, em 1937, pela University College, de Londres, Inglaterra, e trabalhou no laboratório de pesquisas do almirantado, desenvolvendo radares e minas magnéticas.

Já o americano James Dewey Watson nasceu em Chicago, EUA, em 1928. Ele era criança quando começou a interessar-se por pássaros, o que certamente o levou a seguir a carreira de naturalista. Bem mais tarde, já na Universidade de Chicago, leu o livro O Que é a Vida?, de Erwin Schrödinger, e ficou impressionado com o conteúdo da obra.

Qual é a diferença entre gene é DNA?

Estrutura do DNA – O DNA (ácido desoxirribonucleico) é o material genético da célula contido nos cromossomos, que, por sua vez, se encontram no núcleo e na mitocôndria da célula. Exceto para algumas células (por exemplo, espermatozoides, óvulos e glóbulos vermelhos), o núcleo celular contém 23 pares de cromossomos.

  • Muitos genes são encontrados em um cromossomo.
  • Um gene é um segmento de DNA que fornece o código para a formação de uma proteína.
  • A molécula de DNA é uma longa hélice dupla enrolada em si mesma, semelhante a uma escada em caracol.
  • Dentro dela, duas fitas, compostas por moléculas de carboidratos (desoxirribose) e moléculas de fosfatos, unem-se devido ao emparelhamento de quatro moléculas denominadas bases, as quais formam os degraus da escada.

Nesses degraus, a adenina faz par com a timina, ao passo que a guanina faz par com a citosina. Cada par de bases é ligado por uma ponte de hidrogênio. Um gene consiste de uma sequência de bases. As sequências de três bases codificam um aminoácido (os aminoácidos são as unidades de construção das proteínas) ou outras informações.

As proteínas são compostas de uma longa cadeia de aminoácidos ligados uns aos outros. Existem 20 aminoácidos diferentes que podem ser usados na síntese proteica, alguns provenientes da dieta (aminoácidos essenciais) e alguns são sintetizados por enzimas no corpo. Assim que uma cadeia de aminoácidos é montada, ela se dobra para criar uma estrutura tridimensional complexa.

É a forma da estrutura dobrada que determina sua função no corpo. Como a dobra é determinada pela sequência precisa de aminoácidos, cada sequência diferente resulta em uma proteína diferente. Algumas proteínas, como a hemoglobina, contêm várias cadeias diferentes dobradas.

  1. As instruções para a síntese de proteínas são codificadas no DNA.
  2. As informações são codificadas no DNA pela organização da sequência de bases (A, T, G e C).
  3. O código é escrito em trincas.
  4. Ou seja, as bases são organizadas em grupos de três.
  5. As sequências especiais de três bases no DNA codificam as instruções, como a adição de um aminoácido à cadeia.

Por exemplo, GCT (guanina, citosina, timina) codifica a adição do aminoácido alanina e GTT (guanina, timina, timina) codifica a adição do aminoácido valina. Assim, a sequência dos aminoácidos em uma proteína é determinada pela ordem da trinca de pares de base no gene para a proteína específica na molécula de DNA.

  1. O processo de transformação da informação genética codificada em uma proteína envolve a transcrição e a tradução.
  2. Transcrição é o processo no qual as informações codificadas no DNA são transferidas (transcritas) para o ácido ribonucleico (RNA).
  3. O RNA é uma longa cadeia de bases semelhantes a uma fita de DNA, exceto pela base uracila (U) que substitui a base timina (T).

Assim, o RNA contém as informações codificadas em trinca, como o DNA. Quando a transcrição é iniciada, parte da dupla hélice de DNA se abre e se desenrola. Uma das fitas desenroladas do DNA age como um molde contra a fita complementar de DNA que se forma.

  1. A fita complementar de DNA é chamada de RNA mensageiro (mRNA).
  2. O mRNA se separa do DNA, deixa o núcleo e se move no citoplasma da célula (a parte da célula fora do núcleo, consulte a figura ).
  3. No citoplasma, o mRNA se acopla a um ribossomo, que é uma estrutura pequena na célula, onde a síntese proteica ocorre.

Com a tradução, o código do mRNA (a partir do DNA) transmite a informação ao ribossomo sobre a ordem e o tipo de aminoácidos ao qual ele deve se ligar. Os aminoácidos são trazidos ao ribossomo por um tipo muito menor de RNA chamado RNA de transferência (tRNA).

Cada molécula de RNA de transferência transporta e incorpora um aminoácido à cadeia de proteína que está sendo produzida, a qual se dobra em uma estrutura tridimensional complexa sob a influência das moléculas vizinhas, chamadas de moléculas chaperones. Existem muitos tipos de células no corpo de uma pessoa, como as células cardíacas, as células hepáticas e as células musculares.

Essas células têm aparência e ação diferentes e produzem substâncias químicas muito diferentes. Contudo, todas as células são descendentes de um óvulo único fertilizado e assim contêm essencialmente o mesmo DNA. As células adquirem aparências e funções muito diferentes devido aos diferentes genes que são expressos em células diferentes (e em momentos diferentes na mesma célula).

  1. As informações sobre quando um gene deve ser expresso também são codificadas no DNA.
  2. A expressão do gene depende do tipo de tecido, da idade da pessoa, da presença de sinais químicos específicos e de vários outros fatores e mecanismos.
  3. O conhecimento desses outros fatores e mecanismos que controlam a expressão gênica está aumentando rapidamente, mas muitos deles ainda continuam pouco compreendidos.
You might be interested:  Cores Que Combinam Com Laranja?

Os mecanismos pelos quais os genes se controlam são muito complicados. Os genes têm marcadores químicos para indicar onde a transcrição deve começar e terminar. Várias substâncias químicas (como as histonas) dentro e em volta do DNA bloqueiam ou permitem a transcrição.

  1. Além disso, uma fita de RNA chamada RNA antissentido pode parear com uma fita complementar de mRNA e bloquear a tradução.
  2. As células se reproduzem dividindo-se em duas.
  3. Como cada célula nova precisa de um conjunto completo de moléculas de DNA, as moléculas de DNA na célula original devem se reproduzir (replicar) durante a divisão celular.

A replicação acontece de uma forma similar à transcrição, exceto pelo fato de que uma molécula inteira de DNA de fita dupla se desenrola e se divide em duas. Após a divisão, as bases de cada fita se ligam às bases complementares (A com T e G com C) que flutuam na vizinhança.

  • Quando esse processo é concluído, duas moléculas idênticas de DNA fita dupla existem.
  • Para evitar confusões durante a replicação, as células devem ter uma função de “revisão” para ajudar a garantir que as bases são pareadas adequadamente.
  • Há também dois mecanismos químicos para reparar o DNA que não foi copiado corretamente.

Entretanto, devido aos bilhões de pares de bases envolvidos e à complexidade do processo de síntese proteica, podem ocorrer erros. Esses erros podem ocorrer por inúmeras razões (como exposição à radiação, medicamentos ou vírus) ou por nenhuma razão aparente.

  1. Variações menos importantes no DNA são muito comuns e ocorrem na maioria das pessoas.
  2. A maioria das variações não afeta as cópias subsequentes do gene.
  3. Os erros que são duplicados em cópias subsequentes são chamados de mutações.
  4. Mutações herdadas são mutações que podem ser transmitidas aos descendentes.

As mutações podem ser herdadas apenas quando afetam as células reprodutoras, (espermatozoides ou óvulos). As mutações que não afetam as células reprodutoras, afetam as células descendentes das células mutantes (por exemplo, pode se tornar um câncer), mas não são transmitidas à descendência.

As mutações podem ser únicas em uma pessoa ou família, e a maioria das mutações prejudiciais é rara. As mutações que se tornam tão comuns que afetam mais de 1% de uma população são chamadas de polimorfismos (por exemplo, os tipos de sangue A, B, AB e O). A maioria dos polimorfismos exerce pouco ou nenhum efeito no fenótipo (a estrutura e função reais do corpo de uma pessoa).

As mutações podem envolver segmentos grandes ou pequenos de DNA. Dependendo do tamanho e da localização, a mutação pode não ter efeito aparente, pode alterar a sequência de aminoácidos em uma proteína ou reduzir a quantidade de proteína produzida. Se a proteína tiver uma sequência de aminoácido diferente, ela pode ter uma função diferente ou não.

Uma proteína ausente ou sem funcionamento é frequentemente danosa ou fatal. Por exemplo, na fenilcetonúria Fenilcetonúria (PKU) A fenilcetonúria é um distúrbios do metabolismo de aminoácidos que ocorre em bebês que nascem sem a capacidade de decompor normalmente um aminoácido denominado fenilalanina.

A fenilalanina,. leia mais, uma mutação resulta na deficiência ou na ausência da enzima fenilalanina hidroxilase. Essa deficiência permite que o aminoácido fenilalanina (absorvido da dieta) se acumule no corpo, o que pode resultar em incapacidade intelectual grave.

  • Em casos raros, uma mutação introduz uma alteração que é vantajosa.
  • Por exemplo, no caso do gene de células falciformes, quando a pessoa herda duas cópias do gene anormal, ela desenvolverá doença falciforme Anemia falciforme A anemia falciforme é uma anormalidade da hemoglobina (a proteína transportadora de oxigênio encontrada em glóbulos vermelhos), herdada geneticamente, caracterizada por glóbulos vermelhos em.

leia mais No entanto, quando uma pessoa herda apenas uma cópia do gene de células falciformes (chamada portadora), ela desenvolve alguma proteção contra malária Malária A malária é uma infecção dos glóbulos vermelhos do sangue causada por uma de cinco espécies de protozoários Plasmodium,

  • A malária causa febre, calafrios, sudorese, sensação de indisposição.
  • Leia mais (uma infecção do sangue).
  • Embora a proteção contra malária possa ajudar um portador a sobreviver, a doença falciforme (em uma pessoa que tenha duas cópias do gene) causa sintomas e complicações que podem reduzir a expectativa de vida.

A seleção natural se refere ao conceito de que mutações que comprometem a sobrevida em um dado ambiente são menos prováveis de serem passadas para os descendentes (e assim se torna menos comum na população), enquanto as mutações que aumentem progressivamente a sobrevida se tornam mais comuns.

Desta forma, as mutações benéficas, embora inicialmente raras, geralmente se tornam comuns. As mudanças lentas, que ocorrem com o tempo, provocadas por mutações e seleção natural em uma população híbrida, em conjunto, são denominadas de evolução, Exceto por algumas células (por exemplo, espermatozoides e óvulos ou glóbulos vermelhos), o núcleo de cada célula humana normal contém 23 pares de cromossomos, totalizando 46 cromossomos.

Normalmente, cada par consiste em um cromossomo proveniente da mãe e um do pai. Existem 22 pares de cromossomos não sexuais (autossômicos) e um par de cromossomos sexuais. Os cromossomos não sexuais pareados são, para objetivos práticos, idênticos em tamanho, forma, posição e número de genes.

  • Como cada membro de um par de cromossomos não sexuais contém um de cada gene correspondente, existe uma espécie de cópia de segurança para os genes nos cromossomos.
  • O 23.º par é composto pelos cromossomos sexuais (X e Y).
  • O par de cromossomos sexuais determina o sexo do feto, masculino ou feminino.
  • Os homens têm um cromossomo X e um Y.

O X masculino é proveniente da sua mãe e o Y, do seu pai. As mulheres apresentam dois cromossomos X, um do pai e o outro da mãe. Algumas vezes, a função dos cromossomos sexuais é diferente dos cromossomos não sexuais. O menor cromossomo Y transporta os genes que determinam o sexo masculino, bem como outros poucos genes.

  1. O cromossomo X contém muito mais genes que o cromossomo Y, muitos dos quais apresentam funções além da determinação sexual e não têm um correspondente no cromossomo Y.
  2. Em homens, como não existe o segundo cromossomo X, os genes extra no cromossomo X não são pareados e teoricamente todos são expressos.

Os genes no cromossomo X são citados como genes ligados ao sexo ou de ligação X. são estruturas diminutas no interior das células que sintetizam moléculas usadas para energia. Diferente de outras estruturas dentro das células, cada mitocôndria contém seu próprio cromossomo circular.

Esse cromossomo contém DNA (DNA mitocondrial) que codifica algumas, mas não todas, as proteínas que constituem aquela mitocôndria. O DNA mitocondrial normalmente é proveniente apenas da mãe porque, em geral, quando um óvulo é fertilizado, apenas as mitocôndrias do óvulo participam do desenvolvimento do embrião.

As mitocôndrias do espermatozoide normalmente não participam do desenvolvimento embrionário. Um traço é qualquer característica determinada pelos genes. Muitos traços são determinados pela função de mais de um gene. Por exemplo, a estatura de uma pessoa é determinada, provavelmente, por muitos genes, incluindo os que afetam o crescimento, o apetite, a massa muscular e o nível de atividade.

Entretanto, alguns traços são determinados pela função de um gene único. A variação de alguns traços, como a cor do olho ou o tipo sanguíneo, é considerada normal. Outras variações, como o albinismo Albinismo O albinismo é um distúrbio hereditário raro em que pouco ou nenhum pigmento cutâneo melanina é formado.

A pele, o cabelo e os olhos, ou às vezes apenas os olhos, são afetados. Normalmente, os. leia mais, a síndrome de Marfan Síndrome de Marfan A síndrome de Marfan é um distúrbio raro do tecido conjuntivo que causa anomalias nos olhos, nos ossos, no coração, nos vasos sanguíneos, nos pulmões e no sistema nervoso central. A síndrome. leia mais e a doença de Huntington Doença de Huntington A doença de Huntington (coreia de Huntington) é uma doença hereditária, que se inicia com abalos ou espasmos ocasionais e, depois, evolui para movimentos involuntários mais pronunciados (coreia. leia mais, danificam a estrutura ou função corporal e são consideradas distúrbios.

  • Contudo, nem todas essas anomalias genéticas são uniformemente danosas.
  • Por exemplo, uma cópia do gene falciforme pode conferir proteção contra malária, mas duas cópias do gene causam anemia falciforme.
  • Um distúrbio genético é um traço prejudicial causado por um gene anormal.
  • O gene anômalo pode ser herdado ou pode surgir espontaneamente como resultado de uma nova mutação.

As anomalias genéticas são bastante comuns. Todos os seres humanos transportam uma média de 100 a 400 genes anormais (que são diferentes em diferentes pessoas). Entretanto, na maior parte das vezes, o gene correspondente àquele cromossomo no par é normal e evita qualquer efeito prejudicial.

É possível ter mais de um DNA?

O quimerismo é uma condição genética rara, que determina que o indivíduo possua dois tipos distintos de DNA em seu corpo. Numa primeira perspectiva, a temática interessaria principalmente aos estudos sobre o DNA e o genoma humano, entretanto o que se verifica é que o fenômeno também tem repercussões jurídicas.

Qual é o maior gene humano?

O oncologista André Marcio Murad (foto) explica as principais características do genoma humano, em mais um artigo da série ‘Drops de Genômica’. Confira. Por André Marcio Murad* O genoma humano contém 3,1 bilhões de nucleotídeos, mas as sequências codificadoras de proteínas constituem apenas cerca de 2% do genoma.

  1. A sequência do genoma é 99,9% semelhante em indivíduos de todas as nacionalidades.
  2. SNPs (polimorfismos de nucleotídeo único) e variações do número de cópias (CNVs) são responsáveis ​​pela diversidade do genoma de pessoa para pessoa.
  3. O genoma é dinâmico.
  4. Pelo menos 50% do genoma é derivado de elementos transponíveis, como sequências LINE e Alu e outras sequências de DNA repetitivas.
You might be interested:  Monuril Para Que Serve?

Ele contém aproximadamente 20 mil genes codificadores de proteínas, muito menos do que o número originalmente previsto de 80.000–100.000 genes. O tamanho médio de um gene humano é de 25 kb, incluindo regiões reguladoras de genes, íntrons e exons. Em média, os mRNAs produzidos por genes humanos têm 3000 nt de comprimento.

  1. Muitos genes humanos produzem mais de uma proteína por meio de splicing alternativo, permitindo que as células humanas produzam um número muito maior de proteínas (talvez até 200.000) a partir de apenas 20.000 genes.
  2. Mais de 50% dos genes humanos mostram um alto grau de similaridade de sequência com genes em outros organismos; no entanto, mais de 40% dos genes identificados não têm função molecular conhecida.

Os genes não são distribuídos uniformemente nos 23 pares de cromossomos humanos. Aglomerados ricos em genes são separados por “desertos” pobres em genes que respondem por 20% do genoma. Esses desertos se correlacionam com as bandas G vistas em cromossomos corados.

  • O cromossomo 19 tem a densidade gênica mais alta, e o cromossomo 13 e o cromossomo Y têm as densidades gênicas mais baixas.
  • O cromossomo 1 contém o maior número de genes e o cromossomo Y contém o menor número.
  • Os genes humanos são maiores e contém íntrons cada vez maiores do que os genes de invertebrados, como a Drosophila.

O maior gene humano conhecido codifica a distrofina, uma proteína muscular. Esse gene, associado de forma mutante à distrofia muscular, tem 2,5 Mb de comprimento, maior do que muitos cromossomos bacterianos. A maior parte desse gene é composta de íntrons, e o número de íntrons nos genes humanos varia de 0 (nos genes das histonas) a 234 (no gene da titina, que codifica uma proteína muscular). *André Murad é diretor científico do Grupo Brasileiro de Oncologia de Precisão (GBOP), diretor clínico da Personal – Oncologia de Precisão e Personalizada, professor adjunto coordenador da Disciplina de Oncologia da Faculdade de Medicina da UFMG, e oncologista e oncogeneticista da CETTRO Oncologia (DF)

Quais seres vivos têm DNA?

O seu DNA é igual ao de outros seres vivos? Sim! As moléculas de DNA encontradas em cada uma de suas células apresentam a mesma estrutura e funcionam da mesma forma que as moléculas de DNA das células de um chimpanzé, de uma mosca e de um grão de arroz.

E não é só com o deles! Cães, gatos, porcos, araras, serpentes, minhocas, tubarões, laranjeiras, bananeiras, alfaces e até as bactérias que vivem em sua boca, enfim, todos os seres vivos possuem DNA. Uma molécula de DNA é formada por partes menores chamadas de nucleotídeos. Esses nucleotídeos se combinam aos pares e se ordenam de inúmeras maneiras ao longo da molécula.

Quanto mais pares de nucleotídeos, maior a molécula de DNA. A espécie humana possui cerca de 3 bilhões de pares de nucleotídeos de DNA em cada uma de suas células. Por sua vez, as moscas-de-frutas possuem 140 milhões. Já o arroz, em cada uma de suas células, possui 380 milhões de pares de nucleotídeos. Será, então, que existe relação entre o tamanho dos organismos e o número de nucleotídeos de seu DNA? Para responder, veja o número de pares de nucleotídeos por célula de diferentes espécies: Pelos dados apresentados na tabela acima, é possível perceber que não existe relação entre o tamanho dessas espécies e o número de nucleotídeos que elas possuem em cada uma de suas células. Por exemplo, a célula de um camundongo possui mais nucleotídeos que a célula de um cachorro. Conhecer a sequência de nucleotídeos da espécie humana, ou seja, a ordem de adeninas, guaninas, citosinas e timinas do nosso DNA, caracterizando as informações genéticas de nossa espécie, foi o principal objetivo do Projeto Genoma Humano. Liderado pelo Instituto Nacional de Saúde (NIH) dos Estados Unidos, esse trabalho foi concluído em 2003, quando a sequência de nucleotídeos da espécie humana passou a ser conhecida.

O que tem dentro do DNA?

O DNA (Ácido Desoxirribonucléico) é composto por milhões de nucleotídeos ligados uns aos outros. Separadamente, nucleotídeos são bastante simples, consistindo de três partes diferentes:

  1. Base nitrogenada (Adenina, Timina, Guanina ou Citosina)
  2. Desoxirribose (um açúcar por cinco carbonos)
  3. Um grupamento fosfato

A imagem abaixo mostra uma representação simplificada de um nucleotídeo: Bases Nitrogenadas No DNA existem quatro tipos de bases nitrogenadas:

  • » Adenina (A)
  • » Guanina (G)
  • » Citosina (C)
  • » Timina (T)

Adenina e guanina são classificadas como PÚRICAS, pois elas são moléculas compostas por dois anéis, Citosina e timina são classificadas como PIRIMÍDICAS, pois elas são moléculas formadas por um único anel. Diagramas estruturais das quatro bases são mostrados abaixo: Adenina faz par com a Timina, formando o par de bases A-T, e ocorre dupla ligação entre essas bases. Do mesmo modo que a Guanina se liga à Citosina e forma o par de bases G-C, por tripla ligação. E as duas cadeias se ligam através de fracas pontes de hidrogênio entre as bases nitrogenadas dos nucleotídeos, responsáveis pela manutenção da estrutura de dupla hélice do DNA, É a SEQUÊNCIA DAS BASES que carrega as informações. Existem também as regras de Chargaff: Regras de Chargaff: (T+C) = (A+G) púricas = pirimídicas T=A, C=G (Timina se liga com Adenina, assim como Citosina se liga com Guanina) (A+T) ≠(G+C) O Açúcar – Desoxirribose O açúcar presente na estrutura do DNA tem 5 carbonos e chamamos de Desoxirribose. Em um fita de DNA, os nucleotídeos estão ligados covalentemente entre si por ligações fosfodiéster formando pontes de fosfato como você pode ver na imagem a seguir:

Qual é o tamanho de um DNA?

Em cada célula do nosso organismo, o filamento estendido de DNA chega a ter cerca de 2 metros. Se você imaginar que em nosso corpo há perto de 10 trilhões de células, você terá uma ideia da enormidade de DNA que nós possuímos.

Qual foi o cientista que descobriu o DNA?

A Descoberta do DNA O DNA foi descoberto em 1869 pelo bioquímico suíço Johann Friedrich Miescher (1844-1895), mas a estrutura tridimensional da mólecula de DNA foi descoberta apenas em 1953, por Francis Crick, James Watson e Maurice Wilkins, quando trabalhavam em Cambridge, no Reino Unido.

A descoberta da estrutura do DNA foi apresentada na Revista Nature ainda em 1953, mas atraiu pouca atenção da comunidade científica. O estudo só ganhou destaque em 1957, quando cientistas demonstraram que o DNA se autorreplica, como os autores haviam previsto. O prêmio Nobel veio em 1962. A descoberta trouxe uma verdadeira revolução na investigação ligada às ciências da vida.

Conheça os painéis genéticos da Neurodiagnostic Brasil em: https://neurodiagnosticbrasil.com/ Fonte: AMB – Associação Médica Brasileira. A descoberta do DNA e o projeto genoma. Revista da Associação Médica Brasileira, Vol.51.N.1, p.1, Fev.2005. : A Descoberta do DNA

Quantos anos tem o DNA humano?

Esses genes foram se especializando ao longo desses bilhões de anos até que há cerca de 70 milhões de anos surgi- ram os nossos ancestrais denominados por hominídeos.

Como feito o DNA?

Teste de DNA: entenda como são feitos os exames de paternidade O que é o teste de DNA? O teste de DNA é basicamente a leitura dos genes de uma pessoa, com o objetivo de verificar se existe vínculo genético entre as partes envolvidas no teste em questão.

Testes de paternidade Nos testes de paternidade, o exame é realizado com amostras de DNA da criança, da mãe e do suposto pai. Formas de realizar o teste TRIO Mãe, filho e suposto pai. DUO Mãe e filho (maternidade)Suposto Pai e filho (paternidade)Nos casos dos exames DUO existem restrições com relação à documentação, para saber mais, entre em contato com o Laboratório Maricondi. Reconstrução – No caso de suposto pai falecido Pode ser realizado através de supostos tios (as), supostos avós, filhos legítimos, viúva, e mãe e filho requerente.

Quanto tempo demora para sair o resultado? O resultado do exame é liberado em até 20 dias úteis para trio e duo. Para o exame de reconstrução, em até 30 dias úteis. Cuidados antes do teste de DNA Não é necessário preparo especial antes da coleta das amostras para o exame de DNA.

RG, CNH ou carteira de trabalho (Documento com foto)Certidão de nascimento do filho (a) ou DNV (Declaração de nascido vivo)Certidão de óbito (para exame de reconstrução)Certidão de casamento ou certidão de divórcio

Fatores que alteram o resultado do teste de DNA Como o DNA de uma pessoa é único, ele não consegue ser alterado por drogas, álcool, medicamentos, alimentos, idade ou estilo de vida, nem mesmo por procedimentos cirúrgicos. No entanto, caso o paciente já tenha feito transfusão de sangue ou transplante de medula óssea, isso deve ser avisado ao laboratório.

  1. Possíveis resultados do teste de DNA Normalmente o laudo de um exame de DNA trará quais são os locos/localização cromossômica que foram estudados e a análise do laboratório sobre eles.
  2. O resultado é apresentado em laudo de simples interpretação.
  3. Em exames para definir a paternidade o resultado é sempre comparativo.

Metade do DNA do filho (a) vem da mãe e a outra metade do suposto pai. Após essa análise, é realizado um cálculo para definir o índice de paternidade, que nunca é menor que 9,99% (nos casos de inclusão de paternidade). Nos casos de exclusão de paternidade, ele é determinado pela quantidade de exclusões encontradas na análise, isto é caracterizado quando o DNA do suposto pai não é encontrado no filho.

Como explicar para uma criança o que é DNA?

O DNA (ácido desoxirribonucleico) é um ácido nucleico essencial para a transmissão das nossas características para nossos descendentes. É ele que determina o fenótipo dos indivíduos. Nos organismos eucariotos, essa molécula está armazenada no núcleo, onde está organizada em cromossomos, e também nas mitocôndrias.

Um açúcar pentose (açúcar com cinco carbonos) Uma base nitrogenada Um radical fosfato

You might be interested:  O Que Acontece Quando O Nome Vai Para Protesto Em Cartório?

A pentose nos ácidos nucleicos pode ser a desoxirribose ou a ribose. No DNA, encontra-se a desoxirribose, e no RNA está presente a ribose. Já as bases nitrogenadas podem ser adenina, citosina, guanina, timina ou uracila. Adenina, citosina e guanina ocorrem tanto no DNA quanto no RNA. O esquema acima mostra a estrutura do DNA segundo Watson e Crick Não pare agora. Tem mais depois da publicidade 😉 O DNA foi descoberto no século XIX por Johann Friedrich Miescher, mas a estrutura dessa molécula só foi anunciada por James D. Watson e Francis H.

  • Crick, em 1953, na revista Nature.
  • Sem dúvidas, essa foi uma das maiores descobertas da Biologia.
  • O modelo proposto por Watson e Crick descreve o DNA como uma molécula constituída por dois longos filamentos que estão enrolados e formam uma estrutura semelhante a uma espiral.
  • O modelo por eles proposto é chamado de dupla-hélice.

Cada filamento está ligado ao outro por meio de ligações de hidrogênio estabelecidas entre suas bases nitrogenadas. A adenina liga-se exclusivamente à timina por duas ligações de hidrogênio, e a citosina liga-se sempre à guanina por meio de três ligações de hidrogênio.

Tem o nome de Deus no nosso DNA?

Gene humano pode conter nome de Deus | O TEMPO Deus não criou o homem à sua imagem e semelhança, conforme diz a Bíblia. Seus filhos apenas compartilham os atributos do seu nome que estaria gravado em suas células. É o que sustenta o escritor e pesquisador Gregg Braden ao ligar os alfabetos bíblicos, hebraico e árabe à química moderna.

Aí, diz ele, encontra-se um código perdido, um alfabeto traduzível que é a chave para os mistérios de nossa origem e vive conosco desde sempre. A pesquisa de Braden revela que os elementos hidrogênio, nitrogênio, oxigênio e carbono, que formam o nosso DNA, podem ser substituídos por letras das antigas línguas.

“Com isso, o código da vida se transforma em uma mensagem eterna. Traduzida, ela mostra que as letras do antigo nome de Deus estão codificadas como informação genética em cada célula da vida”, sustenta o pesquisador em seu novo livro “O Código de Deus ” O Segredo do Nosso Passado, a Promessa do Nosso Futuro” (editora Cultrix, 256 págs, R$ 34).

A chave para traduzir o código do DNA para uma linguagem significativa é aplicar a descoberta que converte os elementos em letras. “Com base em seus valores equivalentes, o hidrogênio se transforma na letra hebraica yod (y), o nitrogênio na letra hey (h), o oxigênio na letra vav (v) e o carbono na letra gimel (g).

Essas substituições revelam que a antiga forma do nome de Deus, YH, existe como química do nosso código genético. Por meio dessa ponte entre o nome de Deus e os elementos da ciência moderna, é possível desvendar o mistério e descobrir um significado ainda maior no antigo código que vive em cada célula do nosso corpo”, sustenta Braden.

O pesquisador considera que a sua pesquisa evidencia um ato divino: “Preservada dentro de cada célula dos cerca de seis bilhões de habitantes do nosso mundo, a mensagem é repetida, muitas vezes, para formar os elementos de nossa existência. Ela está dentro de cada um de nós, independente de raça, religião ou crença”.

Descoberta pode levar à união dos povos A pesquisa de Gregg Braden é polêmica. Mas ele acredita que “a assinatura do antigo nome de Deus oferece um denominador comum inédito, que nos permite resolver as diferenças. Essa evidência palpável nos dá também uma razão para acreditar que a paz é viável e vantajosa.

  • Como cidadão do mundo, somos muito mais do que as religiões, crenças, modos de vida, fronteiras ou tecnologias que nos separam.
  • Nos momentos em que duvidamos dessa verdade imutável, basta lembrar da mensagem que trazemos no corpo.
  • Esse é o poder da mensagem que há dentro das nossas células”.
  • O nome de Deus tem as mesmas letras e o mesmo sentido em todas as línguas, alega o pesquisador.

Tanto a tradição judaica como a islâmica têm uma ancestralidade comum representada pelo patriarca Abraão, mas suas interpretações dos ensinamentos diferenciaram-se ao longo dos séculos. “Mesmo levando em conta essas diferenças, o código numérico oculto dos alfabetos hebraico e árabe revela precisamente o mesmo valor e produz precisamente o mesmo segredo do nome de Deus no nosso corpo.

Com isso, o código leva a mesma mensagem de esperança para as três religiões que congregam mais da metade da população do mundo: o Judaísmo, o Islamismo e o Cristianismo”. Braden interpreta que a mensagem “Deus eterno dentro do corpo” possa ser traduzida de várias maneiras. “Seja qual for a fonte do nosso código genético, o alto grau de ordem contido na mensagem diz que existe alguma coisa “lá fora”.

A mensagem que trazemos no corpo é sem precedentes como base comum para a resolução de nossas diferenças”. (AED) Carbono nos torna diferentes de Deus “Somos o produto de elementos e moléculas que se combinaram ao acaso para produzir o milagre da vida, ou somos o resultado de um ato intencional de criação” Embora não se elucide a origem do código em nossas células, o simples fato de sua existência e a pouca probabilidade de essa mensagem ter-se formado ao acaso sugerem que há uma inteligência e uma intenção subjacente à nossa origem”, infere Gregg Braden.

O pesquisador deixa claro que, antes de escrever o seu livro, foi preciso estabelecer com a maior precisão possível0 o nome pelo qual a presença sobre o Monte Sinai se identificou para Moisés. Após 12 anos de pesquisas, ele concluiu que “há um nome que sobrevive como o nome pessoal de Deus: YHVH, o eterno”.

Segundo Braden, “quando substituímos os elementos modernos pelas quatro letras do antigo nome de Deus, temos um resultado inesperado, à primeira vista. Trocando o h final de YHVH pelo seu equivalente químico, o nitrogênio, o oxigênio e nitrogênio (HNON), todos eles são gazes sem cor, sem cheiro e invisíveis.

  1. Substituir 100% do nome pessoal de Deus pelos elementos deste mundo cria uma substância que é uma forma de criação intangível, mas real”.
  2. O pesquisador lembra que as primeiras definições de Deus dizem que Ele é onipresente e que, no nosso mundo, assume a forma invisível aos olhos.
  3. Então Ele só pode ser conhecido por meio de suas manifestações.

Os primeiros capítulos do Gênesis relatam que é nessa forma não-física que o Criador estava presente no tempo da criação”. Braden deixa claro que a humanidade compartilha das três primeiras letras antigas que representam 75% do nome do Criador, “mas a quarta e última letra do nosso nome químico nos separa de Deus.

Enquanto a presença de Deus é a forma invisível e impalpável dos três gazes, hidrogênio, nitrogênio e oxigênio, a última letra do nosso nome é aquilo que nos dá a cor, o gosto, a textura e os sons do corpo: o carbono. A única letra que nos separa de Deus é também o elemento que nos torna reais no nosso mundo”.

(AED) : Gene humano pode conter nome de Deus | O TEMPO

Quais são os 4 tipos de herança genética?

É importante compreender os Padrões de Herança Genética para avaliar como as condições são transmitidas em uma família. Um histórico preciso da saúde da familiar é uma ferramenta valiosa para ilustrar como as condições são transmitidas de geração a geração.

Os padrões de herança monogênicos são frequentemente chamados de Mendelianos, uma vez que Gregor Mendel observou pela primeira vez os diferentes padrões de segregação de genes para características selecionadas em ervilhas e foi capaz de determinar as probabilidades de recorrência de uma característica nas gerações subsequentes.

Uma pessoa possui duas cópias de quase todos os genes, uma cópia herdada da mãe e uma cópia herdada do pai. Os cientistas estudaram os genes humanos para aprender como eles funcionam normalmente, como as variantes nos genes podem alterar o modo como funcionam e como essas variantes são transmitidas para as próximas gerações.

As doenças de um único gene geralmente são herdadas em um dos diferentes padrões clássicos, dependendo da localização do gene e se uma ou duas cópias normais do gene são necessárias para que o fenótipo da doença se manifeste. Os padrões clássicos de herança para distúrbios monogênicos são: autossômico dominante, autossômico recessivo, dominante ligado ao X, recessivo ligado ao X e ligada ao cromossomo Y.

No entanto, nem todas as condições genéticas seguirão esses padrões, e existem outras formas de herança, como a herança mitocondrial e a herança poligênica/multifatorial. Para algumas doenças, os membros da família com a mesma mutação podem não ter os mesmos sintomas. Singular MP, a Precisão que faz a diferença.

Qual é o menor gene humano?

O maior cromossomo da nossa espécie é o de número 1, formado por cerca de 245 milhões de pares de bases e por volta de 2 mil genes. O menor é o cromossomo sexual Y, presente apenas em pessoas do sexo masculino, com 59 milhões de letras.

O que e DNA e sua estrutura?

DNA é o material genético das células, contido nos cromossomos dentro do núcleos das células e mitocôndrias. Exceto em certas células (p. ex., espermatozoides, óvulos e eritrócitos), o núcleo celular contém 23 pares de cromossomos. Um cromossomo contém muitos genes.

Um gene é um segmento do DNA que fornece o código para construir uma proteína ou molécula de RNA. A molécula de DNA é uma dupla hélice longa e espiralada que lembra uma escada em espiral. Nela, dois filamentos, compostos por moléculas de açúcar (desoxirribose) e fosfato, são conectados por pares de quatro moléculas chamadas bases, que formam os degraus da escada.

Nos degraus, adenina é pareada com timina e guanina é pareada com citosina. Cada par de bases é mantido unido por uma ligação de hidrogênio. Um gene consiste em uma sequência de bases. Sequências de três bases codificam um aminoácido (aminoácidos são os blocos de construção das proteínas) ou outras informações.

Qual e a função da genética?

Área da Biologia que estuda a hereditariedade A Genética é a área da ciência que estuda o processo de transmissão de características físicas e biológicas de um indivíduo para outro, chamado de hereditariedade. De origem grega, a palavra genética significa ‘fazer nascer’.