O Direito Penal No Estado Democrático De Direito? - [Últimas informações]

O Direito Penal No Estado Democrático De Direito?

O Direito Penal No Estado Democrático De Direito

O que significa Direito Penal no Estado democrático de Direito?

Podemos dizer que o Direito Penal tem uma função de proteção dos bens jurídicos mais relevantes contra os ataques perigosos ou lesivos de terceiros. Se não houver um bem jurídico a ser protegido, não poderá haver crime. Ademais, também é função do Direito Penal limitar o poder punitivo do Estado.
Ver resposta completa

Qual é a relação entre o Direito Penal e o regime democrático?

Nos Estados democráticos atuais, o Direito Penal é englobado por diversos princípios constitucionais que versam sobre crimes, penas e medidas de segurança, nos diversos níveis de criminalização, com objetivo de garantir ao indivíduo proteção ao poder arbitrário punitivo estatal.
Ver resposta completa

O que é o princípio do Estado democrático de Direito?

Estado Democrático de Direito –

No Estado Democrático de Direito, as leis são criadas por representantes da população e, por conseguinte, da vontade geral. Seu princípio básico é sintetizado por Abraham Lincoln na máxima: “governo do povo, pelo povo e para o povo”. Assim, o Estado Democrático de Direito vai além da democracia representativa de escolha periódica dos governantes, ele requer a participação popular efetiva e constante nas decisões políticas, de modo a conduzi-las a fim promoverem justiça social.
Ver resposta completa

São características do processo penal no Estado democrático de direitos?

O modelo constitucional de processo: garantias constitucionais do processo penal – No Estado Democrático de Direito, o poder político estatal é juridicamente limitado, isto é, apenas pode ser exercido dentro de determinadas restrições definidas pela ordem jurídico-política constitucional, marcada pelas dimensões de legalidade, separação de poderes e proteção aos direitos fundamentais.

  • Esse modelo de organização política de poder pressupõe que os indivíduos possuem certos direitos indispensáveis à própria existência e ao desenvolvimento da personalidade humana, que constituem verdadeiras barreiras de proteção contra a utilização arbitrária do poder do Estado.
  • O indivíduo é considerado como efetivo sujeito de direito em face da comunidade e do próprio Estado, cuja atividade deve estar norteada pelos princípios e garantias assegurados na Constituição.

A atuação repressiva do Estado em face dos indivíduos que praticam condutas tipificadas como crimes é uma atividade indispensável para a manutenção da ordem jurídico-política. Porém, no Estado Democrático de Direito, o exercício do poder punitivo estatal é juridicamente limitado pela instituição de amplas garantias que devem nortear a edificação e a aplicação da política criminal, como o devido processo legal, o contraditório, a ampla defesa, a presunção de inocência, o juiz natural, a motivação das decisões, entre outras.

O processo penal constitui, nesse contexto, o instrumento pelo qual o Estado exerce o seu poder punitivo, buscando a aplicação da pena ao autor da infração. Sobre a relação entre delito, pena e processo, Aury Lopes Júnior destaca que: “Existe uma íntima e imprescindível relação entre delito, pena e processo, de modo que são complementares.

Não existe delito sem pena, nem pena sem delito e processo, nem processo penal senão para determinar o delito e impor uma pena.” Por outro lado, o processo também pode ser visualizado sob o aspecto da tutela dos direitos fundamentais, ou seja, como uma garantia do indivíduo de que não será submetido a uma pena sem a observância dos direitos fundamentais previstos na Constituição.

Com efeito, em uma ordem constitucional fundada na instituição de amplas garantias e direitos individuais, como é o caso do Estado brasileiro, o processo penal deve necessariamente se desenvolver visando à efetivação desses postulados. Segundo a lição de José Frederico Marques, o Direito Processual é um dos ramos das ciências jurídicas que tem o contato mais íntimo e próximo com os preceitos constitucionais, já que regula o exercício da atividade jurisdicional, uma das funções fundamentais do Estado.

Sendo a jurisdição uma atividade específica de um dos órgãos da soberania nacional, isto é, do Poder Judiciário, não há dúvidas de que a atividade estatal realizada no processo deve buscar uma constante aproximação com os textos constitucionais. Como o conjunto dos princípios básicos do processo penal está delineado na Constituição, a Justiça Criminal deve necessariamente ser construída em harmonia com os princípios e valores éticos e políticos que informam a ordem jurídico-constitucional.

O legislador ordinário está submetido a um regime de estrita legalidade, sendo a conformidade com a Constituição uma condição necessária para a legitimidade de qualquer norma jurídica: Assentando-se na Constituição, o conjunto de princípios básicos do processo penal, claro está que a Justiça Criminal na organização de seus quadros e no funcionamento de seus órgãos, tem de receber direto influxo dos valores éticos e políticos que informam a ordem jurídico-constitucional.(.) Uma vez que nossa Constituição foi elaborada em função dos ideais democráticos do Estado de Direito, é preciso situar as fontes primeiras da ordem processual numa linha de princípios que não destoe desse sentido político de toda a nossa organização estatal.

Daí pode-se inferir que há uma correlação necessária entre o sistema político adotado e o conteúdo do direito processual penal. Em um Estado Democrático de Direito, o processo penal deve ser visualizado a partir dos direitos e garantias fundamentais estabelecidos na Constituição, ou seja, deve atuar como instrumento a serviço da ordem constitucional.

A esse respeito, Geraldo Prado esclarece: (.) a edificação de qualquer política criminal em um estado democrático está condenada à uma incoerência normativa se for desenvolvida à margem do nível jurídico superior e não considerar que o respeito à dignidade da pessoa humana é o princípio e fundamento do sistema político democrático, único espaço comum para qualquer pacto democrático.

Assim, a sanção punitiva deve necessariamente ser precedida de um processo que não seja um processo qualquer, mas um processo de partes, em que seja assegurada ao indivíduo submetido à pretensão punitiva a efetividade dos direitos e garantias fundamentais constantes na Constituição.
Ver resposta completa

Quais são os crimes contra o Estado Democrático de Direito?

Trata dos crimes contra a soberania nacional (atentado à soberania, atentado à integridade nacional e espionagem), contra as instituições democráticas (abolição violenta do Estado Democrático de Direito e golpe de Estado), contra o funcionamento das instituições democráticas no processo eleitoral (interrupção do processo eleitoral e violência política) e contra o funcionamento dos serviços essenciais (sabotagem), inseridos no Código Penal pela Lei nº 14.197/21.

Importante destacar que, segundo o artigo 359-Todo CP, não constitui crime previsto contra o Estado Democrático de Direito a manifestação crítica aos poderes constitucionais nem a atividade jornalística ou a reivindicação de direitos e garantias constitucionais por meio de passeatas, de reuniões, de greves, de aglomerações ou de qualquer outra forma de manifestação política com propósitos sociais.

– Fundamentação

Artigos 359-I ao 359-R do Código Penal

Referências bibliográficas

Código Penal. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto-lei/del2848compilado.htm. Acesso em: 09 de junho de 2022.

Temas relacionados

Soberania nacional Instituições democráticas Processo eleitoral Serviços essenciais

Este material está sujeito à atualizações constantes pelo DireitoNet e pode não refletir, necessariamente, o ordenamento jurídico mais recente. Permitida a reprodução total ou parcial, desde que citada a fonte. Consulte sempre um advogado.
Ver resposta completa

Quais são os elementos do Estado Democrático de Direito?

Características, fundamento, conceito e implicações – O Estado Democrático de Direito, apesar de parecer ser um simples Estado de Direito entoado por governos democráticos, onde há apenas a participação popular na escolha dos governantes, não é. A democracia na escolha dos participantes é fundamental, mas deve haver também uma série de garantias de direitos fundamentais para que haja, de fato, liberdade e igualdade entre as pessoas.

Esses direitos são educação, saúde, saneamento, direito de ir e vir, direito ao julgamento livre e imparcial, com a prerrogativa de ampla defesa para aqueles que são acusados de cometer crimes, direito à alimentação adequada, direito à previdência (aposentadoria) e a garantia dos direitos trabalhistas em geral (férias remuneradas, descanso remunerado semanal, jornada de trabalho fixa e justa, salário mínimo, licença-maternidade, licença médica, entre tantos outros).

O conjunto de direitos que adentraram na concepção de Estado Democrático de Direito visa a garantir, em suma, a dignidade da pessoa humana, partindo do pressuposto de que todo mundo tem direito a garantias básicas que tornem a sua vida digna de ser vivida. Em um Estado Democrático de Direito, as leis e a justiça são elementos fundamentais. Os países democráticos, sendo republicanos ou parlamentaristas, devem ter as suas leis garantidas por uma Constituição, É dever dos Estados, a partir de seus poderes, garantir a manutenção desses direitos.

  • Para regulamentar e executar tal manutenção, são eleitos governos e um corpo legislativo que operam no sentido de garantir que todas as normas jurídicas sejam respeitadas.
  • No âmbito internacional, a Declaração Universal dos Direitos Humanos é um documento oficial que rege o sistema jurídico internacional na tentativa de evitar que os Direitos Humanos básicos sejam desrespeitados.
You might be interested:  Não São Fontes Do Direito Penal:?

Existem organismos, como a ONU e a Unesco, que atuam na fiscalização dos governos, visando a coibir qualquer excesso ou desrespeito aos Direitos Humanos dentro dos países. Veja também: Desigualdade social: diferença existente entre as classes sociais
Ver resposta completa

Qual a relação entre estado de direito e Estado democrático?

O Estado Democrático de Direito é diferente do Estado de Direito pela soberania do que chamamos de ‘vontade geral’, conceito que é trabalhado pelo teórico Rousseau em seu livro ‘O contrato social’. Sendo assim, a vontade geral é o atendimento do interesse comum da sociedade, obtido por meio do consenso das partes.
Ver resposta completa

Qual a função do Processo Penal democrático?

A função do processo penal é servir como instrumento efetividade do Estado Democrático de Direito, por meio de mecanismos que irão obstar a onda punitiva estatal, seja utilizando os princípios constitucionais ou os elementos do sistema acusatório28.
Ver resposta completa

Qual é a diferença entre estado de direito e Estado democrático de Direito?

Diferença entre Estado de direito e Estado democrático de direito –

A diferença entre o Estado de direito e o Estado democrático de direito é ligada à proteção dos valores e princípios que são garantidos aos cidadãos pela Constituição Federal e por outras leis.No Estado democrático de direito, assim como acontece no Estado de direito, as decisões dos governantes devem ser tomadas com base na lei e dentro dos limites que são estabelecidos pela legislação do país.A diferença entre eles é que no Estado democrático de direito os direitos fundamentais protegidos pela Constituição devem ser levados em consideração nas decisões com o objetivo de proteger os direitos dos cidadãos.Leia mais sobre o,Ver também os significados de, e,

: Significado de Estado de direito (O que é, Conceito e Definição)
Ver resposta completa

Quais são os três princípios do Estado democrático?

Democracia – Embora Sócrates afirmasse que “a democracia é a forma ruim do governo de muitos”, e Platão concluísse que “a democracia é o governo dos ignorantes” a democracia se consolidou como um regime político que se fundamenta na soberania popular.

  • Na liberdade de expressão eleitoral, assim como na repartição de poderes e no controle da autoridade.
  • A doutrina afirma que a democracia repousa sobre três princípios fundamentais: o princípio da maioria, o principio da igualdade e o principio da liberdade.” (José Afonso da Silva — Curso de Direito Constitucional Positivo) “Democracia é conceito histórico.

Não sendo por si um valor-fim, mas meio e instrumento de realização de valores essenciais de convivência humana, que se traduzem basicamente nos direitos fundamentais do homem, compreende-se que a historicidade destes a envolva na mesma medida, enriquecendo-lhe o conteúdo a cada etapa do envolver social, mantido sempre o princípio básico de que ela revela um regime político em que o poder repousa na vontade do povo.

Sob esse aspecto, a democracia não é um mero conceito político abstrato e estático, mas é um processo de afirmação do povo e de garantia dos direitos fundamentais que o povo vai conquistando no correr da história.” (José Afonso da Silva – Curso de Direito Constitucional Positivo) A partir da modernidade, a democracia tem sido uma das modalidades de governo objeto das criticas mais diversificadas e contundentes.

Entretanto, não se inventou ainda uma fórmula melhor e mais justa para o exercício da atividade política e do poder que dela emana. O Brasil, vem experimentando essa prática, sem grandes distorções, desde muito pouco tempo, revelando resultados eloqüentes e significativos, com vistas a se constituir no Estado Democrático de Direito preconizado através do Artigo 1 da “Constituição Federal”.

  1. Entretanto, é preciso ter sempre em mente, que o relógio da história se move pela unidade dos séculos, e as ações em prol de resultados imediatistas, quase sempre, revertem uma expectativa de movimento em direção a novas conquistas.
  2. A construção democrática é, pois, o imaginário social que se formulou como novidade e busca de autonomia na Constituição, que.

ao menos quanto à cidadania e à dignidade da pessoa humana, começou a consolidar no processo a dimensão coletiva e solidária para a determinação de seu espaço civil. Por isso se diz que a democracia designa o sentido de permanente ampliação dos espaços de emergência de novas liberdades e novos direitos, como obra inconclusa.

Na alusão à formula Estado democrático de direito, pois, o que se deve ter em mente é assinalar os estágios de superações necessárias para acentuar, na etapa corrente, a exigência de novas concepções de justiça capazes de assegurar. através do exercício da democracia, a criação permanente de direitos novos no processo de reinstituição continua da sociedade.

(José Geraldo de Souza Júnior — Ética, Cidadania e Direitos Humanos: A Experiência Constituinte no Brasil) Para o pleno exercício da democracia contemporânea, entendida como pluralista e participativa, é fundamental o engajamento da coletividade através de todos os seus segmentos em busca da transformação de um sistema representativo renitente, em um processo participativo cada vez mais atuante e significativo, de modo a exercer diretamente o poder político sem intermediação, tendo a progressiva eliminação da competição pelo poder como meta e decorrência natural.

“Paz, desenvolvimento e democracia formam um triângulo interativo. Os três são interdependentes. Sem democracia não há desenvolvimento duradouro: as disparidades tornam-se insustentáveis e conduzem à imposição e à dominação.” (Frederico Mayor – O Direito Humano à Paz) A realidade brasileira exibe uma concepção elitista da democracia delegativa, que rejeita tudo aquilo que não é estritamente o voto, revelando uma apatia política com participação popular limitada ao exercício do voto, em contraposição a uma democracia participacionista onde o cidadão seja sempre o verdadeiro protagonista do processo de libertação.

Radicalizar essa democracia delegativa, significa estabelecê-la além do voto.

  • Na versão brasileira de democracia delegativa, sobressaem as práticas de “clientelismo”, que se constituem sempre em relações de servidão e dominação, onde o voto é continuamente exercido como simples afirmação de fidelidade.
  • Por sua vez, uma sociedade de direitos é a negação da sociedade de favores, até porque, enquanto houver favor não existe o direito.
  • Por outro lado, constata-se que a efetiva e permanente participação política e social do indivíduo, é que poderá proporcionar a única garantia de que os direitos fundamentais não serão realmente violados.
  • O exercício da cidadania ativa consiste no pleno exercício dos Direitos Humanos consagrados, aliado à participação democrática na busca pela identificação e fundamentação de novos direitos.
  • Em última análise, a democracia é ferramenta indispensável no processo humano de busca da felicidade individual e coletiva.

“É nela que o homem dispõe da mais ampla possibilidade de coordenar os meios necessários à realização de sua felicidade pessoal. Quanto mais o processo de democratização avança. mais o homem vai se libertando dos obstáculos que o constrangem, mais liberdade conquista.”

  1. (José Afonso da Silva — Curso de Direito Constitucional Positivo)
  2. O “Plano Nacional de Direitos Humanos – PNDH”, desenvolvido pelo Governo Federal a partir de 1996, tem como lema “direitos humanos é o novo nome da democracia”, muito em razão do fato de os Direitos Humanos atuarem, simultaneamente, tanto como pressuposto quanto como decorrência natural do processo democrático.
  3. Pare e Reflita 1
  4. Qual é a importância que você vê na democracia como processo decisório?

: DHnet – Direitos Humanos na Internet
Ver resposta completa

Quais são os cinco princípios da democracia?

I – a soberania; II – a cidadania; III – a dignidade da pessoa humana; IV – os valores sociais do trabalho e da livre iniciativa; V – o pluralismo político ; Parágrafo único. Todo o poder emana do povo, que o exerce por meio de representantes eleitos, ou diretamente, nos termos desta Constituição.’ ‘Art.
Ver resposta completa

Quais são os principais fundamentos da democracia?

Características – Não existe consenso sobre a forma correta de definir a democracia, mas a igualdade, a liberdade e o Estado de direito foram identificadas como características importantes desde os tempos antigos. Estes princípios são refletidos quando todos os cidadãos elegíveis são iguais perante a lei e têm igual acesso aos processos legislativos.

Por exemplo, em uma democracia representativa, cada voto tem o mesmo peso, não existem restrições excessivas sobre quem quer se tornar um representante, além da liberdade de seus cidadãos elegíveis ser protegida por direitos legitimados e que são tipicamente protegidos por uma constituição, Uma teoria sustenta que a democracia exige três princípios fundamentais: 1) a soberania reside nos níveis mais baixos de autoridade; 2) igualdade política e 3) normas sociais pelas quais os indivíduos e as instituições só consideram aceitáveis atos que refletem os dois primeiros princípios citados.

O termo democracia às vezes é usado como uma abreviação para a democracia liberal, que é uma variante da democracia representativa e que pode incluir elementos como o pluralismo político, a igualdade perante a lei, o direito de petição para reparação de injustiças sociais; devido processo legal ; liberdades civis ; direitos humanos ; e elementos da sociedade civil fora do governo. Classificação política dos países de acordo com a pesquisa da Freedom House em 2021: Livre Parcialmente livre Não-livre Países em azul são designados “democracias eleitorais” pela pesquisa Freedom in the World de 2015, elaborada pela Freedom House, Em muitos países, como no Reino Unido onde se originou o Sistema Westminster, o princípio dominante é o da soberania parlamentar, mantendo a independência judicial.

Nos Estados Unidos, a separação de poderes é frequentemente citada como um atributo central de um regime democrático. Na Índia, a maior democracia do mundo, a soberania parlamentar está sujeita a uma constituição que inclui o controle judicial, Outros usos do termo “democracia” incluem o da democracia direta,

Princípios de Direito Penal: Resumo Completo

Embora o termo “democracia” seja normalmente usado no contexto de um Estado político, os princípios também são aplicáveis a organizações privadas. O regime da maioria absoluta é frequentemente considerado como uma característica da democracia. Assim, o sistema democrático permite que minorias políticas sejam oprimidas pela chamada ” tirania da maioria ” quando não há proteções legais dos direitos individuais ou de grupos.

  • Uma parte essencial de uma democracia representativa “ideal” são eleições competitivas que sejam justas tanto no plano material, quanto processualmente.
  • Além disso, liberdades como a política, de expressão e de imprensa são consideradas direitos essenciais que permitem aos cidadãos elegíveis serem adequadamente informados e aptos a votar de acordo com seus próprios interesses.
You might be interested:  Tem Que Pagar Advogado Antes Ou Depois?

Também tem sido sugerido que uma característica básica da democracia é a capacidade de todos os eleitores de participar livre e plenamente na vida de sua sociedade. Com sua ênfase na noção de contrato social e da vontade coletiva de todos os eleitores, a democracia também pode ser caracterizada como uma forma de coletivismo político, porque ela é definida como uma forma de governo em que todos os cidadãos elegíveis têm uma palavra a dizer de peso igual nas decisões que afetam as suas vidas.
Ver resposta completa

Quanto ao Estado democrático de direito é correto afirmar que?

Resposta: (d) Os direitos e as liberdades individuais são reconhecidos e protegidas. O poder político é restringido pelo estado de direito e o processo de eleição é livre e justo.
Ver resposta completa

Quais são os princípios aplicáveis ao Direito Penal?

No rol de princípios constitucionais aplicáveis ao direito penal encontram-se: 1. Princípio da presunção de ‘inocência’; 2. Princípio da responsabilidade pessoal (intranscendência); 3. Princípio da legalidade; 4.
Ver resposta completa

É crime atentar contra a democracia?

Projeto torna inelegível quem atentar contra a democracia Da Redação | 23/02/2023, 08h31 Pessoas condenadas por crimes contra o Estado democrático de direito não poderão disputar eleições para quaisquer cargos executivos ou legislativos. É o que propõe o senador Fabiano Contarato (PT-ES), que apresentou projeto de lei complementar () neste sentido, com o objetivo de defender as instituições constitucionais e assegurar a normalidade e a legitimidade das eleições.

  1. O projeto modifica a (Lei Complementar 64/1990) para incluir, entre as pessoas que não podem ser eleitas, as que tiverem sido condenadas em decisão transitada em julgado ou proferida por órgão judicial colegiado pelos crimes contra o Estado democrático de direito previstos no,
  2. O impedimento à eleição se estende por oito anos após o cumprimento da pena.

Contarato justifica que a Lei das Inelegibilidades já estabelece a restrição para condenados por crimes contra a economia popular, o patrimônio público, o meio ambiente, a saúde pública e o sistema financeiro, entre outros. A lista de motivos para inelegibilidade foi ampliada com a entrada em vigor da, em 2010, classificada pelo parlamentar como marco na luta contra a corrupção e a impunidade.

” Entendemos ser fundamental inserir na Lei das Inelegibilidades, com a redação dada pela Lei da Ficha Limpa, a previsão expressa de que os que forem condenados, em decisão transitada em julgado ou proferida por órgão judicial colegiado, pelo cometimento dos gravíssimos crimes contra o Estado d emocrático de d ireito sejam considerados inelegíveis e, portanto, não possam disputar eleições para cargos legislativos ou executivos.

Quem ataca a democracia não pode participar do processo democrático”, argumentou. Ele acrescenta que, com a entrada em vigor da, o Código Penal passou a prever uma série de crimes contra o Estado democrático de direito em substituição aos termos da Lei de Segurança Nacional do regime militar.

Para Contarato, os ataques às sedes dos Poderes da República em 8 de janeiro de 2023 são exemplos notáveis de crimes de abolição violenta do Estado e golpe de Estado sob o disfarce do exercício do direito de reunião. ” Manifestantes inconformados com as regras democráticas passaram a contestar o resultado do pleito, aglomerando-se em frente a quartéis-generais do Exército, sugerindo ao então presidente da República, Jair Bolsonaro, assim como aos comandantes das Forças Armadas, a tomada de medidas inconstitucionais e antidemocráticas como a ‘intervenção federal’ e a ‘intervenção militar’, valendo-se de uma interpretação esdrúxula e inconsequente do artigo 142 da Constituição Federal”, resume.

Agência Senado (Reprodução autorizada mediante citação da Agência Senado) : Projeto torna inelegível quem atentar contra a democracia
Ver resposta completa

Qual documento foi criado em um Estado democrático?

Consoante ao que foi anteriormente citado, a importância do Estado Democrático de Direito se revela em nossa Constituição Federal de 1988, tendo em vista que a mesma, estabeleceu a constituição da Republica Federativa do Brasil como um Estado Democrático de Direito.
Ver resposta completa

O que significa um Estado de Direito?

Tomo Teoria Geral e Filosofia do Direito, Edição 1, Abril de 2017 –

A ideia de Estado de Direito, que tem origem na Idade Média, como forma de contenção do poder absoluto, 1 ressurgiu nas últimas décadas como um ideal extremamente poderoso para todos aqueles que lutam contra o autoritarismo e o totalitarismo, transformando-se num dos principais pilares do regime democrático.2 Para os defensores de direitos humanos, o Estado de Direito é visto como uma ferramenta indispensável para evitar a discriminação e o uso arbitrário da força.3 Ao mesmo tempo, a ideia de Estado de Direito, ao ser renovada por libertários como Hayek em meados do século XX, passou a receber forte apoio das agências financeiras internacionais e instituições de auxílio ao desenvolvimento jurídico, como um pré-requisito essencial para o estabelecimento de economias de mercado eficientes.4 Do outro lado do espectro político, até mesmo os marxistas, que viam antigamente o Estado de Direito como um mero instrumento superestrutural, voltado à manutenção do poder das elites, começaram a vê-lo como um “bem humano incondicional”.5 Seria difícil encontrar qualquer outro ideal político louvado por públicos tão diversos.6 Porém, a questão é: estamos todos defendendo a mesma ideia? Obviamente não.

Cada concepção de Estado de Direito, bem como as características que lhes são atribuídas refletem distintas concepções políticas ou econômicas que se busca avançar. O conceito clássico de Estado de Direito foi submetido a uma severa reavaliação nas primeiras décadas do último século. Pensadores como Max Weber em Economia y Sociedad ¸ 7 alertaram-nos acerca do processo de desformalização do Direito como consequência das transformações na esfera pública.

Os anos que se seguiram após os trabalhos de Weber foram marcados por uma tensa luta política e intelectual sobre a capacidade do Rechtsstaat de se adequar aos novos desafios apresentados pela Constituição socialdemocrata de Weimar. Essa luta pode ser vista no debate entre conservadores como Carl Schmitt e socialdemocratas representados por Franz Neumann.8 Hayek responde a essas perspectivas céticas sobre o Estado de Direito em seu influente O Caminho da Servidão, de 1944.9 Para Hayek, a intervenção estatal na economia e o crescente poder discricionário dos burocratas de estabelecer e buscar a realização de objetivos sociais ameaça a eficiência econômica; como consequência das transformações nas funções do Estado, houve um processo de declínio da condição do Direito como instrumento substantivo na proteção da liberdade.

A noção de que o Estado não tem apenas a obrigação de tratar os cidadãos de maneira igual perante a lei, mas também o dever de assegurar a justiça substantiva, foi acompanhada pelo argumento, proposto por novos teóricos do direito, de que o conceito tradicional de Estado de Direito se tornou incompatível com o mundo moderno.

Diferentes teorias jurídicas, como o positivismo, o realismo jurídico ou a jurisprudência de interesses construíram uma versão formal do Direito, liberando o Estado das inerentes limitações impostas por uma concepção substantiva. Para superar tal situação de “opressão”, na qual o Estado pode exercer coerção sobre seus cidadãos – através de atos normativos – sem a necessidade de justificar suas ações em uma lei abstrata e geral, seria necessário retornar às origens do Estado de Direito.

Para isso, Hayek revisitou a história e formulou uma lista de elementos normativos essenciais do Estado de Direito, visto como instrumento par excellence para assegurar a liberdade. De acordo com essa versão, ele não pode ser comparado ao princípio da legalidade desenvolvido pelo direito administrativo, porque o Estado de Direito representa uma concepção material referente ao que o Direito deveria ser.

Essa concepção material o configura como uma doutrina meta legal e um ideal político, que serve à causa da liberdade, e não como uma mera concepção de que a ação governamental deva estar de acordo com as normas. O Estado de Direito deveria ser formado, para Hayek, pelos seguintes elementos: (a) a lei deveria ser geral, abstrata e prospectiva, para que o legislador não pudesse arbitrariamente escolher uma pessoa para ser alvo de sua coerção ou privilégio; (b) a lei deveria ser conhecida e certa, para que os cidadãos pudessem fazer planos – Hayek defende que esse é um dos principais fatores que contribuíram para a prosperidade no Ocidente; (c) a lei deveria ser aplicada de forma equânime a todos os cidadãos e agentes públicos, a fim de que os incentivos para editar leis injustas diminuíssem; (d) deveria haver uma separação entre aqueles que fazem as leis e aqueles com a competência para aplicá-las, sejam juízes ou administradores, para que as normas não fossem feitas com casos particulares em mente; (e) deveria haver a possibilidade de revisão judicial das decisões discricionárias da administração para corrigir eventual má aplicação do Direito; (f) a legislação e a política deveriam ser também separadas e a coerção estatal legitimada apenas pela legislação, para prevenir que ela fosse destinada a satisfazer propósitos individuais; e (g) deveria haver uma carta de direitos não taxativa para proteger a esfera privada.10 Dessa maneira, a concepção de Estado de Direito defendida por Hayek engloba uma visão substantiva do Direito, uma noção estrita da separação de poderes e a existência de direitos liberais que protejam a esfera privada, moldada assim para servir como um instrumento de proteção da propriedade privada e da economia de mercado.

  1. O maior problema dessa concepção é que, através dela, o Estado de Direito se torna refém de um ideal político particular.
  2. Em reação a esse e a outros tipos de formulações substantivas do Estado de Direito, como aquela mais direcionada ao aspecto social que resultou do Congresso de Delhi, organizado pela Comissão Internacional de Juristas em 1959, Joseph Raz propõe uma concepção mais formalista, que evitaria a confusão entre diversos objetivos sociais e ideológicos e as virtudes intrínsecas do Estado de Direito.
You might be interested:  Inepcia Da Petição Inicial Artigo?

Para ele, “se o Estado de Direito for um Estado governado por boas leis, então explicar a sua natureza é difundir uma filosofia social completa. Porém, dessa maneira, o termo perde qualquer utilidade”.11 Para Raz, o Estado de Direito em seu sentido amplo “significa que as pessoas devem obedecer às leis e serem reguladas por elas.

Porém, em uma teoria política e jurídica, ele deve ser lido de uma maneira mais estrita, no sentido de que o governo deve ser regulado pelas leis e submetido às mesmas”.12 A construção de Raz requer que as leis devam ser entendidas como regras gerais, para que possam efetivamente direcionar ações. Nesse sentido, o Direito não é apenas um fato decorrente do poder, precisa, ao contrário, possuir uma forma particular.

Raz, no entanto, não compartilha da ideia defendida por Hayek, segundo a qual apenas normas abstratas e gerais podem constituir um sistema de Estado de Direito. Para Raz, seria impossível governar apenas com normas gerais; qualquer sistema concreto deve ser composto por normas gerais e outras específicas, que em contrapartida devem ser consistentes com as primeiras.

Para concretizar o objetivo de um sistema jurídico que possa guiar a ação individual, Raz cria sua própria lista com os princípios do Estado de Direito, de acordo com os quais as leis devem ser prospectivas, acessíveis, claras e relativamente estáveis; a edição de normas específicas deve ser guiada por outras que sejam, por sua vez, acessíveis, claras e gerais.

Porém, essas regras somente farão sentido se houver instituições responsáveis pela sua aplicação consistente, a fim de que o Direito possa se tornar um parâmetro efetivo para guiar a ação individual. A formulação de Raz requer, desse modo, a existência de um judiciário independente, porque, se as normas fundamentam racionalmente as ações e o judiciário é responsável por aplicá-las, seria inútil guiar nossas ações pelas leis se as cortes pudessem levar em consideração outras razões que não as leis ao decidir casos concretos.

Pela mesma razão, os princípios do devido processo, como o direito das partes a serem ouvidas e a imparcialidade, devem ser contemplados. O Estado de Direito também requer que as cortes devam ter competência para rever atos de outras esferas do governo, a fim de assegurar a conformidade desses com o Estado de Direito.

As cortes devem ser facilmente acessíveis para que não se frustre o Estado de Direito. Por último, os poderes discricionários das instâncias responsáveis pela prevenção criminal devem ser reduzidos no intuito de não se deturpar as leis. Nem o promotor nem a polícia devem ter a discricionariedade para alocar seus recursos destinados ao combate ao crime com base em outros fundamentos que não aqueles estabelecidos legalmente.13 Dentro dessa perspectiva, o Estado de Direito é um conceito formal de acordo com o qual os sistemas jurídicos podem ser mensurados, não a partir de um ponto de vista substantivo, como a justiça ou a liberdade, mas por sua funcionalidade.

A principal função do sistema jurídico é servir de guia seguro para a ação humana. Essa é a primeira razão pela qual as concepções formalistas do Estado de Direito, semelhantes à formulada por Raz, recebem amplo apoio de diferentes perspectivas políticas. É extremamente importante para os governos em geral contarem com um eficiente instrumento para guiar o comportamento humano.

Contudo, servir de ferramenta para distintas perspectivas políticas não significa que mesmo a concepção formalista de Estado de Direito seja compatível com todos os tipos de regimes políticos. Por favorecer a previsibilidade, a transparência, a generalidade, a imparcialidade e por dar integridade à implementação do Direito, a ideia do Estado de Direito se torna a antítese do poder arbitrário.14 Dessa maneira, as perspectivas políticas distintas que apoiam o Estado de Direito têm em comum uma aversão ao uso arbitrário do poder; essa é uma outra explicação sobre por que o Estado de Direito é defendido por democratas, liberais igualitários, neoliberais e ativistas de direitos humanos.

Apesar de suas diferenças, eles são todos a favor de conter a arbitrariedade. Em uma sociedade aberta e pluralista, que ofereça espaço para ideais concorrentes acerca do bem público, a noção de Estado de Direito se torna uma proteção comum contra o poder arbitrário. Existe, no entanto, uma explicação menos nobre para o apoio amplo ao Estado de Direito que deve ser mencionada.

Tendo em vista que o Estado de Direito é um conceito multifacetado, se usarmos cada um de seus elementos constitutivos separadamente, eles serão extremamente valiosos na promoção de valores ou interesses diferentes e muitas vezes concorrentes, como eficiência de mercado, igualdade, dignidade humana e liberdade.

  • Para aqueles que defendem reformas de mercado, a ideia de um sistema jurídico que proporcione previsibilidade e estabilidade é de extrema importância.
  • Para os democratas, a generalidade, a imparcialidade e a transparência são essenciais e, para os defensores de direitos humanos, a igualdade de tratamento e a integridade das instâncias de aplicação da lei são indispensáveis.

Portanto, a leitura parcial desse conceito multifacetado, feita por concepções políticas distintas, também ajuda a entender a atração de público tão amplo pelo Estado de Direito. Assim, quando nós encontramos alguém defendendo o Estado de Direito, precisamos ser cautelosos e verificar se ele não está apenas exaltando uma das virtudes do Estado de Direito.
Ver resposta completa

O que é um Estado de Direito?

O Estado é uma organização destinada a manter, pela aplicação do Direito, as condições universais de ordem social. E o Direito é o conjunto das condições existenciais da sociedade, que ao Estado cumpre assegurar.
Ver resposta completa

Qual a diferença entre o estado de direito e o Estado Democrático de Direito?

Diferença entre Estado de direito e Estado democrático de direito –

A diferença entre o Estado de direito e o Estado democrático de direito é ligada à proteção dos valores e princípios que são garantidos aos cidadãos pela Constituição Federal e por outras leis.No Estado democrático de direito, assim como acontece no Estado de direito, as decisões dos governantes devem ser tomadas com base na lei e dentro dos limites que são estabelecidos pela legislação do país.A diferença entre eles é que no Estado democrático de direito os direitos fundamentais protegidos pela Constituição devem ser levados em consideração nas decisões com o objetivo de proteger os direitos dos cidadãos.Leia mais sobre o,Ver também os significados de, e,

: Significado de Estado de direito (O que é, Conceito e Definição)
Ver resposta completa

Qual a função do juiz no processo penal democrático?

Na Democracia de Direito, o juiz é um garantidor de liberdades públicas, um verdadeiro defensor dos direitos humanos e fundamentais do investigado e acusado. Seu papel, na investigação e no processo, é primar para que a persecução penal seja desenvolvida de acordo como devido processo legal.
Ver resposta completa

Qual a diferença entre o Estado Democrático de Direito e Estado de Direito?

O Estado Democrático de Direito é diferente do Estado de Direito pela soberania do que chamamos de ‘vontade geral’, conceito que é trabalhado pelo teórico Rousseau em seu livro ‘O contrato social’. Sendo assim, a vontade geral é o atendimento do interesse comum da sociedade, obtido por meio do consenso das partes.
Ver resposta completa

Quanto ao Estado democrático de Direito é correto afirmar que?

Resposta: (d) Os direitos e as liberdades individuais são reconhecidos e protegidas. O poder político é restringido pelo estado de direito e o processo de eleição é livre e justo.
Ver resposta completa